PUBLICIDADE

Página Principal : Lei Geral


Num trânsito caótico, há quem afirme que a bebida não faz mal.



Uma notícia sensata, apesar do Ministro não ser dos melhores, mas serve de alerta de que um erro pode ocasioanr uma sucessão de outros erros e aumentar o caos no trânsito.

O Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, disse hoje ter "muita confiança" de que o Supremo Tribunal Federal (STF) ratificará (aprovará) a Lei Seca, que proíbe o motorista de dirigir com qualquer nível de álcool no sangue. Duas ações diretas de inconstitucionalidade (Adin) tramitam no Supremo contra a lei nº 11.705, de 2008. "Uma Corte diante de uma redução brutal do número de mortes se colocaria contra a norma? Defenderia o quê? A volta do número de mortes?", questionou Temporão, depois de participar de evento da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). "É pouco provável."

Temporão afirmou que o Judiciário não pode ficar indiferente ao que chamou de "patamar diferenciado de consciência" adquirido pelos brasileiros após a Lei Seca. "A norma jurídica é socialmente determinada. Expressa o grau de evolução da sociedade", disse. "Fico preocupado quando se explora a recusa de se submeter ao teste do bafômetro como um direito. O Brasil vive uma emergência sanitária em relação ao álcool e à direção. Isso muda todo o contexto."

Para justificar sua confiança na manutenção da Lei Seca, o ministro citou dados do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de São Paulo de redução, de 14% nas ocorrências por acidentes de trânsito, e do Instituto Médico Legal (IML), de 63% menos mortes no trânsito. "Vivíamos uma barbárie. A sociedade só fazia chorar seus mortos", disse. "A lei justificou meus 30 anos de saúde pública.". Defendeu urgência na tramitação do projeto de lei que prevê que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) normatize a publicidade de bebidas alcoólicas que tenham de 0,5% a 12% de teor alcoólico. Atualmente, apenas bebidas com mais de 12% de álcool são reguladas, o que exclui de eventuais restrições as propagandas de cerveja, por exemplo. "É necessário mudar a lei", afirmou Temporão. "Não é proibir, mas regulamentar", completou. Temporão confirmou ainda ter pedido à Anvisa estudos sobre possíveis restrições de direção a quem consome medicamentos psicoativos, como antidepressivos e tranqüilizantes.

Mas mesmo assim ainda há gente achando que beber um pouco não faz mal ao contrário "desperta" o motorista, talvez para seu fim.




Veja mais em: Lei Geral

Artigos Relacionados


- A Lei Seca E O Pacto De São José Da Costa Rica
- Responsabilidade Penal Do Crimes De Trânsito
- Porque Criticam A Lei Seca Brasileira
- A Triste Realidade Do TrÂnsito Brasileiro - I
- Lei Seca
- Tópicos Revelvantes Sobre Código De Trânsito: Embriaguês Ao Volante
- O Motorista E O Álcool

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online