PUBLICIDADE

Página Principal : Comunicações e Mídia


Ficção televisiva e o caos - Rádio TV



FICÇÃO************************************** *****************************************************************

Vamos entender que para este
nosso trabalho, o conceito FICÇÃO será entendido como recriação do real. O
autor-roteirista exerce assim as funções de um pequeno Deus ? inventando,
imaginando e compondo seu universo. Digo pequeno, pois o mundo real não nos
deixa muitos vestígios sobre sua suposta organização. Encarando-o, às vezes,
nos deparamos com o caos, o não-sentido ? fenômenos naturais e sociais que
escapam de nossa compreensão, causando angústia e dor. A ciência, a arte e a
religião têm em comum a vontade de organizar o imprevisível, instável e
desordenado. Eufrásio Prates nos remete à origem da palavra desestabilizadora.*********************

******************************************** *********************************************************************

Lembramos que a acepção do termo
"cháos" no seu étimo grego é de "origem" ou "abertura
originária de onde vem tudo", portanto, indeterminada . Só com o mundo
romano é que tomou a acepção de "desordem", como oposição ao
"kósmos" ou ordem.****************************************

Eufrásio Prates ? Mestre em
Comunicação pela Universidade de Brasília******************************

******************************************** *********************************************************************

Tomando a acepção grega da
palavra caos, chegaremos para efeito deste estudo num mesmo lugar, numa mesma
origem, de onde tudo vem. A criação da vida, de uma tese científica, filosófica
ou religiosa, de um roteiro cinematográfico ou televisivo acontece graças a
essa indeterminação e incerteza que parecem estar no princípio de todas as
coisas.********************************************

******************************************** *********************************************************************

"quem inventou o amor
teve certamente inclinações musicais, tantas canções parecidas mas tão
desiguais, são como as coisas da vida, coisas tão parecidas, mas tão
desiguais..."

Inclinações
Musicais. Música de Geraldo Azevedo.*******************************************************

Há um momento, antes de adormecermos, creio que seja chamado de vigília,
que o pensamento começa a afrouxar um pouco as rédeas da razão e vemos um pouco
as coisas com os olhos do subconsciente (será que isso só acontece comigo?)
objetos e situações que parecem nada terem em comum. O professor diz
bom dia, um anzol fisga um peixe, um celular toca, o sol se põe. Ações
desordenadas que, com certeza, estariam plenas de significado para um
analisando e seu psicanalista, que a partir daquele material buscariam
conceitualizar, organizar o mundo onírico, para que o paciente, por meio do
intelecto, tivesse uma nova ferramenta para o conhecimento de si mesmo e do
universo que o habita. Essa dispersão, esse caos, essa aparente falta de intenção,
não existe na construção da linguagem televisiva. Nela tudo é previsto e
organizado pelo roteiro.***


Veja mais em: Comunicações e Mídia

Artigos Relacionados


- Deus Existe?
- Os Filósofos Pré-socráticos
- Conceito De Filosofia, Método E Reflexão
- Seu Pedido É Uma Oredem-amigo Leitor -parte-1
- Orginalidade
- Filosofia Comparada.
- O Deus Que Eu Sirvo

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online