PUBLICIDADE

Página Principal : Comunicações e Mídia


Como se cria um Slogan



Título do Artigo: Como se cria um Slogan.
Autor: Leandro Quintanilha
Para se desenvolver o processo de criação de um slogan
, precisamos usar as técnicas da tradição literária na idealização de mensagens mais criativas no meio publicitário. Quintanilha
começa citando Clarice Lispector
em sua frase: ?Em cada frase, um clímax?
. Afirma que deve-se compartilhar toda a forma de composição que sirva para inspiração no meio publicitário. Todo slogan
é um enunciado, que divulga um conceito criado para vender produtos
. O SLOGAN DEVE TER A ALMA DO produto A SER VENDIDO
, tudo claro em cada letra do enunciado. Daí a importância dos recursos da métrica, rima, metonímia e aliterações ? elementos da tradição clássica. Quintanilha
, ainda reforça: ?Traduzir uma campanha publicitária numa frase (com clímax)
requer criatividade, claro, mais também profundo conhecimento da língua?.

A palavra SLOGAN
tem origem no ?gaélico escocês? ? origem inglesa, ?sluagh ? ghairm?, que significa ?grito de guerra?, hoje, um significado obsoleto. Foi incorporada a Língua Portuguesa, cabe agora seu novo significado, que é convencer, seduzir a compra ou o uso de um determinado produto.Para João Anzanelho Carrascoza - da USP Prof. De Redação Publicitária e redator Sênior da Agência Thompson
? ?O slogan deve resumir a essência de uma marca, um produto ou uma campanha
?. Couberam as Agências de Publicidade a criação de normas (PRESUPOSTOS)
para desenvolvimento do objeto publicitário. Para o autor ?quase todos já subvertidos?.
MANDAMENTOS DA FRASE PUBLICITÁRIA (PRESUPOSTOS)

PELA TRADIÇÃO PUBLICITÁRIA
AO LONGO DA HISTÓRIA
1. Deve ter um único período:
1.1. Frase Curta.
EXCEÇÃO:
?Algumas coisas não têm preço.
Para as outras existe Mastercard?.
2. Deve respeitar a ordem direta:
2.1. Termos Gramaticais.
EXCEÇÃO:
?Se é Cica, bons produtos indica?.
3. Deve ser uma frase afirmativa:
3.1. EXCEÇÃO:
?Não dá prá não ler?. (FOLHA);
?Não tem comparação?. (BRASTEMP);
?É fresquinho porque vende mais
Ou vende mais porque é fresquinho??(TOSTINES).
?Qual é a sua terra??
?Tomou??(PARMALAT0
Com as rádios os slogans ganham no século 20 uma nova roupagem. Os ritmos, a musicalidade, as rimas e os jingles aparecem para melhorar as propagandas. ?Quem bebe Grapete
, repete grapete
? volta-se ao passado, ao uso de redondilhas maiores e menores, o que interessa é o efeito. Brincar com as palavras desmontá-las em função da publicidade. ?Atma:?Atma
é ótima??, ou ?Sundown
: ?O sol na medida certa??. Para Olive Reboul ?o slogan
não deve ter enunciador. Ele é percebido como uma forma anônima capaz de fazer agir uma coletividade?. Observe o uso da palavra ?prêt?a-porter?, que significa ?pronto pra levar?. O slogan deveria ser ?Prêt-a-penser?, que significa ?pronto pra pensar?, anônimos como ?SulAmérica: ?Salve-se quem tiver??, ?Tudo anda bem com Bardal?, ?O Repórter Esso? ? este entrou para a história, Mas os literatos também se envolveram com publicidade, entre eles Tigre Bastos, amigo de Olavo Bilac, criou ?Se é Bayer, é bom?, ou Guilherme de Almeida com ?Fechaduras Lafonte: a fechadura que fecha e dura?, o jogo com as palavras ?fecha? e ?dura?. Hoje nós temos as figuras: como o uso da aliteração, ?Pense F
orte, pense F
ord?, ?V
iv
a V
erão Samoa.?, ?A Atma
é ótim
a?; paralelismo: ?Você tem seu
estilo a Renner tem todos
?, ?O mundo gira e a Lusitânia roda
?; Rssonância: ?Lula-lá
?; neologismos: ?O mundo é dos nets
?; coloquialismo: ?Coca-cola é isso aí!?; Ironia: ?Não é uma Brastemp?; duplo sentido intencional: ?Globo, a gente se vê por aqui?.
É preciso saber qual recurso usar em época de globalização, de tecnologias sendo renovadas - numa rapidez típica de uma vida tecnológica e agitada. O tempo hoje é a moeda constante, é preciso ser simples, essencial para atingir os objetivos de umaboa publicidade. Sérgio Godilho reforça essa simplicidade afirmando: ?O slogan simples serve em diversas línguas, traduzido, adaptado não perde sua identidade?.
QUNTANILHA, Leandro. COMO SE CRIA UM SLOGAN. Revista Língua(Portuguesa)/ANO II/NÚMERO 16/2007. Páginas de 24 a 29 ? Coluna RETÓRICA. (www.revistalingua.com.br).


Veja mais em: Comunicações e Mídia

Artigos Relacionados


- A Linguagem Da Sedução
- Como Se Faz Publicidade?
- Publicidade Da Comuniação
- Jk - Juscelino Kubitscheck
- Publicidade A Linguagem Da Sedução
- Pragmática Da Comunicação - Conceito
- O Jornalismo Na Era Da Publicidade

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online