PUBLICIDADE

Página Principal : Comunicações e Mídia


Arquétipos - Rádio TV





Os arquétipos podem ser entendidos como
representações personificadas das características humanas. O que seríamos nós? Um pouco de
herói e vilão, tolo e sábio, palhaço e austero. O arquétipo vem a ser a
encarnação destas distintas faces.

Segundo
Christopher Vogler, estes são os principais arquétipos:

HERÓI

MENTOR

GUARDIÃO DO LIMIARCAMALEÃO

SOMBRA

PÍCARO

O HERÓI

Este arquétipo é capaz de se
sacrificar em nome do bem estar comum. Geralmente, ele é o protagonista, aquele que vai conduzir a história
aos olhos do espectador - o desenvolvimento da trama está baseado nas ações do
herói dentro do ambiente que lhe é apresentado e no resultado destas ações.Para um roteiro ser bem aceito pelo público é necessário que este crie
uma identificação com o herói. Quanto mais humana a feição do seu herói mais
provável será esta identificação. É preciso que o herói tenha qualidades louváveis
e ansiadas pelo espectador e, ao mesmo tempo, que traga fraquezas que o tornem mais
humano e mais próximo.

O herói é o protagonista e o roteiro é o relato de sua aventura. Trata-se de uma jornada,
na qual ele deixa o seu mundo comum e cotidiano e parte para novas descobertas e
desafios. Ele é estimulado para mudar algo em seu mundo comum
e parte para buscar a restauração dele mundo. Às vezes, ele está insatisfeito no mundo comum e sai em busca da mudança. A grande motivação da jornada é a falta de alguma coisa - o herói se sente incompleto e vai em busca
de sua plenitude. O resultado é a transformação do próprio herói. Mesmo que o
ambiente permaneça o mesmo, o herói não o enxerga mais da mesma forma durante e após a aventura.O confronto com a
morte é uma constante para este arquétipo. A morte pode ser física ou
simbólica, mas ela está sempre presente. Quando morre ou triunfa sobre ela, o herói de torna um mártir - num caso ou no outro, ele renasceo a partir de sua própria destruição. Outros arquétipos podem ter atitudes heróicas, assim como o herói pode assimir feições de outros arquétipos. A riqueza das histórias está na complexidade da composição dos personagens.

O MENTORComo o herói necessita aprender, é essencial alguém que o guie no mundo da aventura, até que possa caminhar com seus próprios pés. O herói de uma jornada anterior pode ser o mentor. Em outros casos, o mentor pode ser um herói que, no
passado, falhou, mas mesmo assim adquiriu experiência que
pode ser útil ao herói. O mentor pode dar um presente para ajudar o herói em sua jornada: uma espada, uma pedra, um amuleto. Em algumas histórias, a consciência do herói age como seu mentor. O herói te de vencer seu medo e entrar na aventura, por isso a figura do mentor é fundamental.

O GUARDIÃO DO
LIMIARAo longo da
aventura o herói enfrenta desafios. Estes desafios podem ser obstáculos,
tentando impedir que o herói continue sua trilha. Por vezes, os próprios estão ali para
testá-lo com o intuito de fortalecê-lo. O guardião tem esta função quase sempre, depois de ultrapassado, se transforma num aliado do herói, uma espécie de mentor.

Em algumas
histórias, os guardiões são aliados do vilão, embora possuam menor poder este. Para que o herói se prepare é necessário que ele enfrente estes asseclas efique cada vez mais forte para enfrentar o vilão. Analisado desta maneira, o guardião é uma
prévia da luta final. Se a luta do herói for psicológica, os guardiões estão
representados nas próprias limitações internas do herói.

O CAMALEÃOEste arquétipo tem a feição da mudança repentina, da imprevisibilidade. Pode ser representado por uma personagem que, aos olhos do herói e do espectador
,apresente transformações na aparência ou no espírito, de forma que não se possa
prever suas ações.

A função do
camaleão é acabar com a previsibilidade da marrativa. O herói, assim como o
espectador, fica em dúvida com a relação à fidelidade doeste arquétipo, que pode se revelar um aliado do herói ou da sombra.

A SOMBRA

A sombra é
a representação do vilão ou inimigo do herói. Sua meta é, geralmente, a
morte ou destruição definitiva do herói. Em alguns casos, o antagonista do herói
pode ser um aliado que discorda das ações do herói e opta por tomar outras
ações, de forma que ambos entram em uma competição para se resolver a história.

A sombra deve impor desafios ao herói, de modo que este tenha que se
fortalecer para vencê-los. A sombra pode ser um reflexo negativo do herói. Em
uma história de luta psicológica, a sombra é representada por traumas e culpas do próprio herói.

"Assim como o
herói, a sombra pode se tornar mais interessante se possuir uma feição humana,
ou seja, ter defeitos ou qualidades que a aproximem do espectador."

O PÍCARO

Ele é o palhaço ou qualquer personagem cômico que carregue em si o desejo de mudança da realidade.

" A função deste
arquétipo é acordar o herói para a realidade, denunciando a hipocrisia e o lado
ridículo das situações apresentadas. Esta função também atinge o público, uma
vez que este e o herói estão ligados, trazendo um alívio cômico após uma
situação tensa da história."

"O herói picaresco, por exemplo, é muito comum em contos
tradicionais de vários países e uma constante nos desenhos animados infantis."



Veja mais em: Comunicações e Mídia

Artigos Relacionados


- Super - Herói
- Homem Aranha 3
- Homem Aranha 3
- Guerra Do Fogo
- Corpo Fechado
- A Teoria Do Romance
- Roque Santeiro

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online