PUBLICIDADE

Página Principal : Comunicações e Mídia


No primeiro aniversário da televisão privada em Portugal (Parte 2)



(Continua de Parte I mencionada em baixo em  'Links importantes')

--------------------------------------------------------------------------------

2.2- Do canal 1 à TVI: breve análise das grelhas de programas em prime time

Numa semana de Maio, entre o fim do jornal e as 22:30h, classificam-se os programas na seguinte ordem:

1-  Informação, debates e entrevistas

2-  Documentários

3-  Filmes, séries e novelas

4-  Concursos, variedades e humor

5-  Cultura

6-  Outros

Da comparação desta grelha ressalta:

1-  O relevo esmagador da novela, que só não aparece na TVI

2-  O relevo quase análogo aos concursos, quer pela SIC como pelo canal1

3-  O investimento no binómio novela/concursos, novela/variedades, novela/humor, principalmente na SIC

4-  O investimento no binómio novela/documentário, novela/cultura, novela/cultura, na TV2

5-  O interesse pelo desporto, na TV2

6-  A importância do género cinema na SIC

7-  O impacte das emissões para jovens, especialmente nas noites de segunda-feira a sexta-feira na TVI

Os quatro canais portugueses revelam tendências para uma neotelevisão emergente de um novo «pacto de comunicação» onde prevalecem a convivialidade, a interactividade e os processos relacionais individuais. Impera o que se julga ser o gosto do público e as suas expectativas.

O pequeno ecrã substitui a família e o bairro diluindo a separação entre o locutor e o telespectador através de processos fácticos:

? -o olhar do locutor-apresentador para o público presente/ausente

? -a presença do público na emissão como partennaire passivo

? -a presença do público na emissão como partennaire activo

? -a presença do público na emissão como amostragem da audiência global

? -a presença mediatizada do público

A televisão esbate a distância entre a realidade e a ficção, esfera pública e privada, tornando-se num verdadeiro actor social, intervindo directamente nos conflitos, nos problemas pessoais, explicando causas e procurando soluções.

Na ânsia do sensacional, a televisão forja uma dimensão para o acontecimento. Só existe o que passa na televisão, e o que existe só existe como passa na televisão.

Ao culto do directo alia-se a prática do vedetismo. É em torno do apresentador/vedeta que se desenrola a acção.

3- MÚLTIPLA PROCURA PARA PUBLICIDADE ESCASSA?

3.1- Do optimismo desmesurado ao pessimismo inconsequente
 

SIC e TVI esperam, num prazo de cinco anos, uma distribuição de quotas de mercado de, respectivamente, 30% e 20%, e para os dois canais públicos 49,5%. O investimento em publicidade para os quatro canais registou um aumento de 45%.

Caso se confirme esta tendência, ela exprimirá uma reacção altamente positiva dos publicitários ao novo panorama audiovisual em Portugal.

3.2- Cenários possíveis

Cinco cenários são teoricamente possíveis:

1-  A crise internacional é resolvida. O processo da economia portuguesa provoca um alargamento do mercado da publicidade, que cobre as necessidades do público e do privado.

2-  O sucesso dos canais privados é acompanhado por um endividamento dos canais públicos.

3-  Canais públicos e privados arrastam-se numa situação de debilidade financeira.

4-  Os canais privados, ou alguns deles, não resiste(m) às imposições do mercado.

5-  Por razões de natureza política ou económica, o governo decide privatizar um dos canais públicos.

2º e 3º cenários apresentam maior grau de verosimilhança.

Em Espanha, França, Itália, Alemanha e Grã-Bretanha os canais públicos apresentam cada vez mais prejuízos. Também no sector privado a situação financeira de alguns canais é preocupante.

Em 1991 os investimentos publicitários no mundo registaram pela primeira vez desde o início do 60?s uma descida de 1,5%.

Em Portugal, os dois canais privados nascem no auge da perturbação internacional, e colocam-se alguns condicionantes da evolução do processo de televisão pública versus televisão privada: indefinição da repartição do capital da TVI; a reduzida dimensão do capital da SIC; a propensão do governo para reforçar a posição dos canais que controla.

4- Conclusões: Limites e Equívocos da Concorrência

1)  A televisão desperta o apetite dos grupos de interesses políticos ou financeiros alojados no aparelho de Estado ou ciosos de reforçarem a sua capacidade de intervenção no espaço público. A concorrência televisão pública/privada, além de aumentar a pluralidade da informação, encorajando a inovação e a ousadia, também acelerou o concentracionismo e a internacionalização de que a imprensa escrita já vinha sendo objecto.

2)  A televisão hertziana não pode estar sujeita ao livre arbítrio dos operadores já que cria hábitos e gera expectativas. No entanto, a prática dos organismos reguladores ou primam pela ineficácia ou dissimulam estratégias censurantes do poder político.

3)  No mercado português, exclusões e transformações profundas poderão abalar, a médio-longo prazo, o sistema dos media, em geral, e o audiovisual em particular, onerando o erário público ou alterando o instável equilíbrio entre sector público e sector privado.

4)  A relação entre serviço público e televisão pública não está, na maioria dos países europeus, claramente definida. A função de serviço público deverá basear a sua programação na complementaridade e na diferença, de forma a reflectir a diversidade e complexidade do meio social.

5)  Havendo coincidência entre «serviço público» e canal público, terá de estabelecer-se sem ambiguidades o regime de financiamento deste.

6)  No caso português, no plano dos conteúdos, pouco ou nada separa uma televisão pública como a RTP1 de um canal como a SIC. Em termos de financiamento, a RTP, além de concorrer no mercado publicitário, aufere também verbas do orçamento de Estado a pretexto de um «serviço público».



Veja mais em: Comunicações e Mídia

Artigos Relacionados



 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online