PUBLICIDADE

Página Principal : Antropologia


O Dimorfismo Sexual



Os sexos diferem no que diz respeito a organização reprodutora, aos aspectos da constituição hormonal, e provavelmente no tamanho, potência e resistência física. Entretanto, a biologia humana requer cultura humana, neste sentido, a diferença biológica torna-se muito importante quando interpretada pelas normas da cultura e da sociedade humana.

A força e as atividades masculinas parecem ser valorizadas em todas as culturas, mas as atividades e os sentimentos humanos não são diretamente organizados pela biologia, mas sim pela interação das tendências biológicas com as várias expectativas culturais específicas, os esquemas e símbolos que coordenam nossas ações e permitem nossa sobrevivência.

O que é ser homem ou mulher dependerá, então, das interpretações biológicas associadas a cada modo cultural de vida. É através da utilização de formas simbólicas, como a linguagem , no contexto de uma cultura específica e sob a influência de diferentes formas de ações, que ? o homem como animal é capaz de interpretar e alterar sua constituição biológica ?.

Michelle Zimbalist Rosaldo observa que o conhecimento especulativo usado para a diferenciação das atividades masculino- femininas, que se constitui como tendência que influência a ética dominante do masculino, é reflexo da herança sociocultural das adaptações primitivas ( formas sociais primitivas ). Fatores biológicos como a amamentação, associam à mulher a criação dos filhos e a responsabilidade sobre o lar. Em agrupamentos socioculturais semelhantes, as funções físicas femininas, a cultura específica e as diferentes formas de ação das mulheres são associadas a natureza.

Sendo vista como mais natural e menos cultural, seu papel doméstico e sua personalidade são combinados para estimular definições culturais que enfatizem aquelas funções físicas femininas associadas à natureza, no que esta tem de valor negativo - o que pode sugerir uma relação não-humana do ser feminino, possibilitando a partir daí um fundamento cultural lógico para a desigualdade; para a sua subordinação ao papel maternal e doméstico como tendência biológica ou evolutiva; e para a sua exclusão de esquemas culturais de transcendência.

Rosaldo questiona sobre a razão por que perduram até a atualidade essas tendências associadas a adaptação primitiva do homem? Se nas sociedades primitivas a limitação dos movimentos das mulheres ocorria muito em função do trabalho na coleta e criação dos filhos, em oposição às atividades cooperativas dos homens caçadores; para as sociedades atuais perdurou o sentido de oposição, mas em relação a um papel público que lhe garantiria autoridade, prestigio e valor cultural.

Michelle Zimbalist Rosaldo e Louise Lamphere (coord). A Mulher, a Cultura e a Sociedade: Uma revisão Teórica. In :A Mulher, a Cultura e a Sociedade. São Paulo: Paz e Terra, 1979 (Coleção O Mundo, Hoje)


Veja mais em: Antropologia

Artigos Relacionados


- Renascimento Cultural
- Sans-culottes
- A Cultura Asteca
- Todos Os Dias Das Mulheres !
- Miscigenação No Brasil
- Roma Invicta
- 32 Maneiras De Se Escrever A Palavra Deus

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online