PUBLICIDADE

Página Principal : História


ARACY: A MULHER QUE ENGANOU O NAZISMO




Aracy de Carvalho Guimarães Rosa é a única mulher brasileira cujo nome é mencionado no museu do Holocausto, em Jerusalém. Filha de mãe alemã e pai brasileiro, casou-se, no brasil, com o alemão Johannes Edward Ludwig. Ao desquitar-se do marido emigrou para a Alemanha em 1934 e foi trabalhar no Consulado do Brasil na cidade de Hamburgo. Foi nesse consulado que conheceu Guimarães Rosa que exercia a função de vice-cônsul. A Alemanha, na época, vivia um racionamento de comida e, aos semitas, era dada uma quantidade menor de alimentos, então, Aracy passou a alimentá-los com a cota extra que recebia no Consulado. Mas, foi bem mais longe nessa missão de ajuda aos judeus. Mesmo com a entrada dos judeus proibida no Brasil pelas leis do Estado Novo, conseguiu visto para cerca de 100 famílias; obtinha atestados de residência para os judeus de Hamburgo e, assim, conseguia a emissão de passaportes sem o J de identificação para que, sem levantar suspeitas, o cônsul os assinasse. Casou-se com Guimarães Rosa, também desquitado, no México e viveu com ele até sua morte. A ela Guimarães dedicou o seu livro Grande Sertão: Veredas. Aracy, agora com o Mal de Alzheimer e perto de completar 100 anos, vive em São Paulo. Pelo seu corajoso feito, Aracy tem uma árvore plantada em sua homenagem no chamado Jardim dos Justos, no Museu do Holocausto.


Veja mais em: História

Artigos Relacionados


- João Guimarães Rosa (1908-1967)
- Diadorim, Riobaldo, Rosebud E Non; Ou LÓgica E Ontologia - Parte I
- Grandes Epopéias
- O Direito à Literatura E Outros Ensaios
- Os Judeus
- 2ª Guerra Mundial
- Cidade Proibida

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online