PUBLICIDADE

Página Principal : Antropologia


O Cenário Racial no Brasil no Século XIX



O Congresso de Viena de 1815, estabeleceu a proibição do trafico negreiro no Atlântico Norte. A Inglaterra, grande responsável pela medida, estava disposta a eliminar o comercio de africanos.

Em 1810, tratados firmados entre a coroa portuguesa no Brasil e a Inglaterra determinaram a abolição do trafico; mas o comercio continuou. Somente em 1850 a Lei Eusébio de Queiroz aboliu completamente o trafico.

A abolição da escravatura no nordeste brasileiro transformou o escravismo num regime de trabalho semi-servil.

No centro-sul, com melhor equipamento urbano estimulado pelos investimentos do capital cafeeiro na industria, o negro pode ser absorvido pela forma capitalista de trabalho assalariado. Entretanto, o despreparo dessa mão-de-obra e a concorrência do trabalho imigrante transformaram os contingentes libertos em massas marginalizadas socialmente, executando tarefas de menor qualificação e menor remuneração, realimentando o periférico circulo vicioso do subemprego e dos preconceitos dele decorrentes como estereótipos sociais. Alem disso, a influencia de teorias racistas européias, que defendiam a idéia da superioridade racial e cultural do caucasiano loiro, impuseram ao Brasil uma visão de branqueamento de sua população através do mulato, feito da mistura étnica entre o branco e o negro, tendo em primeiro passo para o ?projeto? de branqueamento total. 

 O Congresso de Viena de 1815, estabeleceu a proibição do trafico negreiro no Atlântico Norte. A Inglaterra, grande responsável pela medida, estava disposta a eliminar o comercio de africanos.

 Em 1810, tratados firmados entre a coroa portuguesa no Brasil e a Inglaterra determinaram a abolição do trafico; mas o comercio continuou. Somente em 1850 a Lei Eusébio de Queiroz aboliu completamente  o trafico.

 A abolição da escravatura no nordeste brasileiro transformou o escravismo num regime de trabalho semi-servil.

 No centro-sul, com melhor equipamento urbano estimulado pelos investimentos do capital cafeeiro na industria, o negro pode ser absorvido pela forma capitalista de trabalho assalariado. Entretanto, o despreparo dessa mão-de-obra e a concorrência do trabalho imigrante transformaram os contingentes libertos em massas marginalizadas socialmente, executando tarefas de menor qualificação e menor remuneração, realimentando o periférico circulo vicioso do subemprego e dos preconceitos dele decorrentes como estereótipos sociais. Alem disso, a influencia de teorias racistas européias, que defendiam a idéia da superioridade racial e cultural do caucasiano loiro, impuseram ao Brasil uma visão de branqueamento de sua população através do mulato, feito da mistura étnica entre o branco e o negro, tendo em primeiro passo para o ?projeto? de branqueamento total.


Veja mais em: Antropologia

Artigos Relacionados


- A Questão Racial No Brasil
- A Luta Contra A Escravidão
- São Paulo Das Mil Faces
- A África Antes Da Divisão Realizada Pelas Potências Européias ? De 1800 A 1880
- A Herança Branca Da Identidade Negra - Parte Final
- A Herança Branca Da Identidade Negra - Parte 1
- A Herança Branca Da Identidade Negra - Parte 3

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online