PUBLICIDADE

Página Principal : Economia


Economia solidária ? Por que?



A apologia irrestrita da competição é ideológica e não encontra fundamento na História. Ao contrário, é possível afirmar que a maior parte da evolução da espécie humana foi caracterizada por associações de cooperação comunitárias, tais como apresentam, ainda hoje, certas tribos indígenas do Brasil e de outros continentes. A desestruturação da vida comunitária em conseqüência da revolução industrial no final do século XVIII levou, como reação, à afirmação de idéias e práticas cooperativas, divulgadas por Proudhon e pelos chamados socialistas utópicos (Fourier, Saint Simon, Robert Owen, Michael Bakunin e Peter Kropotkin) bem como, na segunda metade do século XIX, ao socialismo de Marx e Engels. Inspirado nessas idéias e numa certa visão messiânica, surgiu no início do século XX o movimento kibutziano que fundou colônias agrícolas coletivistas na Terra Santa, naquela época sob a dominação do Império Otomano. Os fundadores e seus membros se comprometeram a viver de acordo com os princípios de propriedade coletiva dos meios de produção, a participação de todos os membros da comunidade no planejamento e alocação de recursos -- seja para o consumo ou seja para investimentos ?, mediante votação democrática em assembléias gerais. A igualdade entre os gêneros e a recusa da exploração do trabalho assalariado eram regras. Apesar da escassez material e das condições ambientais adversas, os membros do kibutz desenvolveram intensa vida cultural e social que refletiu, além do idealismo, um novo estilo de vida e a fé no futuro da humanidade. O kibutz ? ?uma aventura na utopia? nas palavras do antropólogo norte-americano Melville Spiro, fracassou sob as pressões da necessidade de construção da sociedade israelense, da absorção de milhões de imigrantes após a criação do Estado de Israel, em 1948, e da entrada maciça de capital estrangeiro, sobretudo norte-americano. A segunda metade do século XX viu também o fracasso do socialismo ?real? da URSS, com suas fazendas agrícolas coletivistas (Kolkhozes) e estatizadas (Sovkhozes) e suas empresas industriais estatais que falharam por excesso de burocracia e falta de motivação dos trabalhadores. Com o desmoronamento da URSS, ruíram também as sociedades altamente centralizadas dos países satélites, com exceção de Cuba, China e Vietnam. Ao mesmo tempo, assistimos a expansão do capitalismo financeiro que acabou penetrando nas sociedades ?socialistas?. Por que fracassaram essas tentativas de organizar a sociedade e suas economias segundo princípios mais justos e solidários? Uma economia solidária exige, além do desenvolvimento de sua base material, um alto grau de conscientização e motivação por parte de sua população, movida por princípios éticos e valores de compaixão e solidariedade. Em oposição radical ao sistema de competição, a economia solidária não pode ser um produto do autoritarismo, de uma administração de uma só via, de cima para baixo, que torne a população em objeto passivo. Ela exige a participação de todos, para se tornarem cidadãos e, assim, sujeitos do processo histórico. Seria isto uma utopia, uma visão idealizada, ou trata-se de uma proposta e projeto de reorganização social e política? Foi em conseqüência da insustentabilidade e barbárie presentes no atual sistema de mercado que surgiram inúmeras experiências de reestruturação, inclusive no Brasil, tais como: o orçamento participativo em Porto Alegre, emulado depois em outros municípios; a ANTEAG ? Associação Nacional de Trabalhadores em Empresas Autogestionária; cooperativas de produção e consumo, de crédito e de habitação, consórcios de PMEs (pequenas e médias empresas) e associações de municípios com interesses e problemas regionais comuns, como por exemplo, a gestão de bacias hidrográficas. Em todas essas experiências, que hoje envolvem milhões de pessoas e valores monetários consideráveis verificamos, em oposição ao desenvolvimento capitalista ? que prioriza a competição, a acumulação e a busca de lucros sem limites ?, uma forte ênfase na justiça social, na auto-realização e na proteção e conservação dos recursos do meio ambiente. Ao rejeitarmos os axiomas deterministas do progresso técnico, de raça, religião ou cultura, afirmamos a centralidade das decisões humanas coletivas ? ?os homens fazem sua história? ? na reconstrução de nosso mundo que se inclina perigosamente para a barbárie. A experiência histórica e as tendências atuais da evolução social ensinam que os caminhos da economia e sociedade solidárias não seguem por trilhas de revolução ou golpes de Estado, mas crescem e se desenvolvem paralelamente, nas entranhas do próprio sistema capitalista que cada vez mais revela sua natureza desumana e irracional e, portanto, sua incompatibilidade com os destinos da humanidade. Afinal, que tipo de sociedade queremos? Que estilo de vida almejamos para nós e nossos filhos? Em vez de estimularmos os nossos filhos a competir, cumpre-nos a tarefa de ensinar e exemplificar as possibilidades de cooperação, como opção de um estilo de vida alternativo.


Veja mais em: Economia

Artigos Relacionados


- O Que é Sociologia
- O Que é Sociologia
- Economia De Mercado X Economia Planificada
- O Que é Economia Política
- O Imperialismo Capitalista E A Revolução
- O Capital
- Participation Et Changement Social Dans L´enterprise

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online