PUBLICIDADE

Página Principal : Economia


OS PROBLEMAS FUNDAMENTAIS QUE SE PÕEM A QUALQUER ECONOMIA - I



Os seres humanos sentem múltiplas necessidades e, para as satisfazerem, têm de dispor de bens materiais ou imateriais (serviços). Ora tais bens há que produzi-los.
Muito embora nenhuma economia possa alhear-se dos problemas fundamentais que passamos a referir, reportamo-nos prioritariamente à sua relação com as economias de mercado ou de livre iniciativa.

1º - Que bens e serviços se hão-de produzir e em que quantidades?

Não é por acaso que uma economia produz os bens que produz e nas quantidades em que o faz. Toda a opção por um bem implica a renúncia a outros bens e, portanto, uma escolha.
Qualquer economia que se mostrasse incapaz de dar resposta, na prática, a tal pergunta pura e simplesmente não sobreviveria.

2º - Como se produzem os bens?

Estes são os ?ingredientes? fundamentais indispensáveis à produção: natureza, trabalho, capital e função empresarial. Quando, porém, nos atemos a uma produção determinada, cada factor assume uma ou várias ?concretizações?.
É sabido que dada quantidade de um bem pode, em regra, ser produzida combinando-se os factores em concretizações dadas, de diversas maneiras, isto é, utilizando diversas técnicas.
As técnicas de produção de uma quantidade Q1 de qualquer bem podem ser numerosíssimas. Todas conduzem à mesma taxa de produção Q1. Logo, não é a produção obtida que as distingue umas das outras. O que as distingue entre si é o seu custo, em particular o seu custo monetário, que se calcula atendendo às quantidades dos factores que caracterizam a técnica respectiva e os seus preços.

3º - Para quem é o produto global obtido pela economia?

Cada titular de uma concretização factorial que intervém na produção chama a si uma quota-parte do Produto Nacional, a qual começa por depender do seu contributo para a produção respectiva. Os titulares que auferirem parcela maior do valor (em escudos) do Produto Nacional terão acesso, colectivamente, a maior quantidade física de bens produzidos. Deste modo, ao trabalho cabem tantos por cento do valor de PN; ao capital, tantos por cento, etc.. É uma repartição que se baseia na ?função? desempenhada pelos sujeitos económicos no esforço colectivo de criação do Produto Nacional. É pois, a repartição funcional.
A este tipo de repartição dá-se o nome de repartição primária.

4º - Os factores de produção disponíveis estarão plenamente empregues ou haverá, pelo contrário, factores desnecessariamente ociosos?

Em rigor, reporta-se este problema ao desemprego de todos os recursos (factores) e não somente ao trabalho. É que há desemprego em economia quando, para além de haver trabalhadores involuntariamente ociosos, há máquinas paradas, matérias-primas e combustíveis que não encontram aplicação produtiva, terrenos férteis que se mantêm incultos, etc..

-Breve nota sobre a estrutura económica da população

População activa (PA)
População activa disponível ou potencial (PAD)
População activa efectivamente empregue (PAE)

Entende-se por ?população activa disponível? ou, simplesmente, ?população activa?, o conjunto das pessoas que, no momento do apuramento, declaram exercer uma actividade profissional e ainda as que, não tendo emprego, declaram procurá-lo.

Uma vez que ao trabalho deve corresponder uma remuneração, é costume excluir da população activa disponível as mulheres que trabalham nos seus lares e os estudantes.

A população activa mede o potencial de trabalho de que dispõe uma economia em dado momento e decompõe-se em duas parcelas:

1 ? O conjunto dos indivíduos efectivamente empregados (PAE): o seu quantitativo, mede o ?emprego? da economia;

2 ? O conjunto dos indivíduos que, achando-se sem emprego, declaram procurá-lo: o seu número mede o ?desemprego? da economia.

Aquela parte da população total que não é ?activa? constitui a chamada ?população a cargo? e traduz um ónus para os activos, que têm de prover à sua subsistência. São população a cargo ou inactiva designadamente os indivíduos que não atingiram ainda a idade legal para exercer uma profissão, os reformados e os inválidos.

Designa-se ?taxa de actividade? duma dada população a percentagem da população activa relativamente à população total.

Não basta um aumento da população total para que aumente proporcionalmente (ou aumente sequer) a população activa. Os principais factores de que depende o volume da população activa são: a dimensão da população total, a duração da escolaridade obrigatória, a idade legal do começo da vida activa, os hábitos relativos ao trabalho da mulher fora do lar, a estrutura etária e por sexos da população.

Nas economias modernas, em que o período de escolaridade obrigatória se alonga, a idade de reforma se atinge mais cedo e se dilata a esperança de vida, tende a aumentar o ?peso? da população a cargo, isto é, em média, cada activo tem de prover à subsistência de maior número de inactivos.

O ?desemprego? representa o excesso da oferta de trabalho. Saliente-se que a população efectivamente empregada (PAE) traduz a igualdade entre uma oferta de trabalho que foi satisfeita e uma procura de trabalho igualmente satisfeita. Por seu turno, população desempregada reflecte oferta de trabalho a que não corresponde uma procura que a utilize.

Em cada momento, há desempregados por alguns dos seguintes motivos:

-Algumas unidades de produção introduzem nos seus processos produtivos equipamento susceptível de aumentar a produtividade do trabalho e, portanto, de dispensar trabalhadores. E surge o desemprego tecnológico.


Veja mais em: Economia

Artigos Relacionados


- Pib
- Sobre A Renda Da Terra - Parte Ii
- Citações De A População De Malthus
- A "lei" Malthusiana Da População
- A Economia, A Escassez, O Problema EconÓmico, A CompetiÇÃo E As Escolhas
- CiÊncia EconÓmica, Doutrina E PolÍtica EconÓmica; ? AnÁlises MicroeconÓmica E MacroeconÓmica
- Sobre A Renda Da Terra

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online