PUBLICIDADE

Página Principal : Ciências Politicas


Os Sertões



Os Sertões, livro vingador de Euclides da Cunha

O conhecimento da realidade social brasileira passa por uma obra obrigatória, Os Sertões, de Euclides da Cunha. Pontua como um dos principais artífices do debate sobre as diferenças entre o interior e o litoral, tema crucial à compreensão da realidade social brasileira. A Guerra de Canudos não foi o primeiro nem o último episódio de massacre da sociedade afluente sobre uma tentativa de construção de um projeto societário diferente. Mas foi o único descrito em tantos detalhes e com tanta profundeza de detalhes por parte de uma testemunha ocular dos fatos.
Aquela guerra durou um ano e mobilizou mais de 12 mil soldados vindos de 17 estados brasileiros, mais da metade de todo o efetivo distribuídos em 4 expedições militares. Estima-se que morreram mais de 25 mil pessoas, culminando com a destruição total da cidade. Foi, de longe, a maior guerra de guerrilhas da história do Brasil.
Na segunda metade do século XIX houve por um lado uma grave crise no sertão nordestino e, por outro, um estímulo do Vaticano a um revivescer da fé católica, com o apoio institucional da Igreja, vários leigos eram levados a aproximar-se mais da religião e, dentro dos rudimentos de sua capacidade de compreensão, assim como daquela gente simples a quem se dirigiam, a mensagem evangélica era retransmitida.
Neste contexto surgem pregadores os mais diversos, dentre os quais Antônio Vicente Mendes Maciel, o Conselheiro, ?um gnóstico bronco?, ?um heresiarca do século II em plena idade moderna?, ?um monstro?, segundo ajuíza Euclides da Cunha em Os Sertões. Um homem do povo que, falando na língua do povo, dizia o que o povo queria e precisava ouvir e fazia o máximo, dentro de sua consciência possível, para suplantar o caos em seu tempo até onde chegava sua esfera de influência.
Conglomerando milhares de adeptos ao seu redor, tentando construir um projeto civilizatório diferente, atraiu a si a fúria dos ?coronéis? das redondezas privados da mão-de-obra barata que, evidentemente, preferia ir para o Belo Monte, com toda a sua beleza poética e profética, a trabalhar para outrem em condições insatisfatórias. Bastante ligado às tradições católicas, Antônio Vicente Mendes Maciel protesta e luta contra a república. Com efeito, o orgulhoso positivismo republicano tirou da Igreja uma série de prerrogativas, por exemplo com a criação do casamento civil e a laicização dos cemitérios...
O sucesso da Aldeia Sagrada de Belo Monte, como era chamada pelos habitantes locais, sua recusa em pagarem impostos à república que nada lhes oferecia e o fato de a mão-de-obra barata que os encarregados das fazendas locais buscavam aliciar, por ordem dos ?Coronéis?, estar inacessível, acabaram por conduzir a uma guerra covarde tendo (como todas as guerras, de Canudos a Bagdá) um motivo banal e improvável. Diante do recado de que o Conselheiro enviaria alguns de seus seguidores à cidade próxima para buscar a madeira que construiria a Igreja, o Juiz da Comarca de Juazeiro compreendeu a mensagem como uma ?ameaça de invasão de jagunços à pacata cidade? e convocou a Polícia Militar que foi, armada, ao encontro dos canudenses. Num crescendo, Polícia de vários Estados e o Exército Brasileiro foram se envolvendo naquela Guerra fratricida.
No final do século XIX a questão ?civilização versus barbárie? se colocava como ordem do dia. Assim, em nome da civilização cristã ocidental, a Europa ?civilizou? massacrando contingentes humanos gigantescos na África e na Ásia. Foi o neocolonialismo. Era necessário escoar o excedente da produção européia ampliando o mercado consumidor e conseguir mão-de-obra barata, a Europa ? Inglaterra à frente ? foi a grande protagonista daquele processo de massacre totalitário, daquela ?globalização? como se chama hoje.
A guerra de Canudos insere-se no contexto da globalização européia, o neocolonialismo do século XIX. Em guerras, campanhas eleitorais burguesas e pescarias a primeira vítima é a verdade. Os jornais cariocas estamppavam manchetes tão sensacionalistas quanto inverídicas dando conta de que os canudenses queriam a restauração da monarquia e a volta de D. Pedro II (eles não tinham o menor contato ou simpatia pelos Orleans, eram ?sebastianistas?...).
De delírio em delírio chegou-se a falar em canibalismo, bestialidade, incesto e insanidades tais que a Imprensa Paulista, decidiu-se a convidar seu brilhante colaborador Euclides da Cunha para, na condição de Primeiro Correspondente de Guerra da História, informar o que cargas d?água estava de fato acontecendo por lá. Fosse como fosse, a guerra já estava a seu final quando a viagem de Euclides da Cunha a Canudos tornou-se viável. Ele levou consigo todo o preconceito da época contra os canudenses encontrando por lá um quadro totalmente diferente do até então avençado; ao lermos a Obra máxima de Euclides da Cunha, por sinal, verificamos que fica estarrecido com a barbárie de que são capazes as tropas republicanas; não menos, aliás, que o fica com o fanatismo dos canudenses... Em nome do progresso e da civilização assassinaram-se mais de vinte e cinco mil seres humanos e destruiu-se uma proposta civilizatória pacífica e ordeira que só desejava viver independente da ?república do cão?.
Euclides tomou notas acuradas, momento a momento, da guerra cujos momentos finais assistiu. Parte delas foi usada em artigos para a imprensa de seu tempo. A todas usou na elaboração de Os Sertões, que veio a lume em 1902.
Seu livro vingador granjeou-lhe imediato reconhecimento nacional e internacional. Já no ano seguinte foi eleito para a Academia Brasileira de Letras e para o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.


Veja mais em: Ciências Politicas

Artigos Relacionados


- Estrangeiro Em Sua Própria Terra. Representações Do Brasileiro 1870/1920
- Painel Dos Movimentos Históricos No Brasil
- Antonio Conselheiro
- Modernismo
- A Luta Possível: Canudos
- Civilização, Guerra E Chefes Militares
- Brasil Na Segunda Guerra- 1ª Parte

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online