PUBLICIDADE

Página Principal : Sociologia


Richard Sennett e a Máscara da Atuação Pública



Richard Sennett constrói uma longa e brilhante narrativa para explicar o que representa a idéia de espaço público. Reproduzindo a história, uma de suas primeiras descobertas é a de que a palavra ?público? implica naquilo que trata do que é bom ao conjunto urbano, que trata do bem comum. Noutro momento, o ?público? se refere ao que está acessível a todos, ou que está ?aberto? aos olhos de todos, que pode ser observado, livremente; estas duas definições apresentadas tratam da história da palavra ?público? na língua inglesa. Mas o autor demonstra que no francês o termo tem sentido muito próximo, senão idêntico. Tratando do Renascimento, ele nos informa que a palavra era usada genericamente, se referindo tanto ao bem comum (pessoas), como do corpo político (atividade política). A palavra ?le public?, com o tempo passou a designar um lugar onde pessoas desconhecidas agiam em sociabilidade, se encontravam espontaneamente para se desencontrarem em seguida. Sennett, para permitir a compreensão do que seria este lugar, ou como se dariam estas relações entre estranhos que se encontram, recorre à antiga tradição do teatrum mundi. Nela, Sennett explica que está contida a idéia de que as relações sociais são na verdade, além de serem meras relações automáticas, representações em forma de atuação teatral. O modo como um homem se dirige ao outro e com este se relaciona não é um ato ?livre?, mas um ato determinado por uma atuação teatral, uma representação de um ?papel?. O teatro mundi condiciona que o encontro de pessoas num espaço (público ou privado) ocorre e se desenrola pela atuação teatral de ambas as partes que se envolvem neste encontro. Mas ocorre que, com explica Sennett, o agir como ator implica na capacidade de se ?integrar às relações sociais?, de imaginar estas relações na vida pública, de vestir a ?máscara? do teatrum aprimorando seu comportamento; é na utilização da ?máscara? que o ser social se integra ao todo social. Demonstrando como se dá o contrário deste comportamento, Sennett diz que ?(...) no mundo de Goffman, as pessoas se comportam, mas não têm experiência;? e continua, ?(...) os autores da escola de Goffman apresentam menos um teoria geral da sociedade do que um primeiro sintoma do mal-estar moderno que configura o tema deste livro,? e ainda segue, ?(...) incapacidade de imaginar relações sociais que suscitem muita paixão, uma imaginação da vida pública na qual as pessoas se comportam e controlam seu comportamento somente por meio do retraimento, ?conciliação? e ?apaziguamento??. Em tempos áureos da vida pública, Sennett lembra que na Londres do século XVIII, a relação entre palco e rua já não era mera metáfora, e este comportamento implicava na necessidade das pessoas serem sociáveis umas com as outras. O que ocorre nesta representação teatral é que o ator que representa tem de ter crença nas convenções. Como o ator no palco do teatro quando atua está obrigado a acreditar no personagem, mesmo que seja apenas pelo momento da atuação, a atuação do homem do teatrum mundi condiciona este homem à existência de certa fé nas convenções, para que possam ter sua real e eficiente expressividade. Esta crença exige um distanciamento entre vida pública e vida privada. Neste distanciamento, a vida privada, subjetiva, não se sobrepõe para determinar as convenções, mas deixa à vida pública que o faça; isto permite que a máscara da atuação se sobreponha ao ser individual, este passa a atuar com a máscara, não deixando que sua ?autodeterminação?, ou a vida íntima condicione o que será crível ou não crível; por isto a vida pública e a máscara da atuação nesta vida pública exigem certa crença nas convenções ou em seus projetos. Isto é o contrário do que se dá no contemporâneo; o desengajamento, como vimos, retira do ator a capacidade de ter fé nas instituições públicas, em qualquer projeto dessas, se é que


Veja mais em: Sociologia

Artigos Relacionados


- Conceito De Direito Administrativo
- O Que é Autoridade? (parte I)
- Segurança Pública
- O Que é Política?
- O "turista" E A Fragmentação Política
- Teatro, Um Olhar Semiólogo
- Iniciando Teatro Com Crianças

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online