PUBLICIDADE

Página Principal : Sociologia


Sobre AS FESTAS JUNINAS: ABORDAGEM IDEOLÓGICA



?Um país não muda pela sua economia, sua política e nem mesmo sua ciência; muda sim pela sua cultura." (Betinho)
O autêntico caipira é um pobre coitado no qual pela inoperância das políticas educacional e de saúde lhe foi tirado o direito dele se expressar corretamente na língua-mãe portuguesa e viver com saúde.
As festas juninas podem ser vistas como o ato de debochar das péssimas condições que o sertanejo vive: Vestimentas miseráveis e ridículas; dentes podres; barba por fazer, botinas velhas; economia de subsistência - alimentação pobre em proteínas e a uma música que soa por demais rasa e repetitiva!

?O Brasil é o campeão mundial de cárie. Quase 38% das crianças de 18 a 36 meses apresentam pelo menos um dente decíduo, que se desprende precocemente, com cárie dentária - a proporção chega a 60% das crianças de cinco anos de idade. Nos dentes permanentes, a incidência de cárie, medida pelo índice CPO - número médio de dentes cariados, perdidos ou obturados por indivíduos - tem rápido avanço conforme a faixa etária. A média é de 4,8 nas crianças de 12 anos, 8,2 nos adolescentes, 24,1 nos adultos e 37,8 nos idosos?.
(Fábio Guedes - Jornal do Commercio Brasil)

Que graça tem brincar de dente podre?
As festas juninas, travestidas com as cores vivas do nosso folclore, do inebriante sincretismo religioso, de muito barulho e movimento, fazem com que a ideologia cumpra seu papel: o excluído social se alegra com a condição miserável que aprendeu a aceitar como natural.
Os péssimos livros didáticos são aqueles ainda retratam a vida e o homem do campo com tons bucólicos e felizes, ignorando os conflitos pela terra, as dificuldades que o pequeno produtor tem em lidar com o crédito rural e a febre aftosa. Eles perpetuam os ideais de uma classe dominante que nenhum compromisso tem em diminuir as desigualdades sociais.
Adentrando nesse Brasil rural e repleto da cordialidade e trejeitos dos ?cumpadres e cumadres?, outras mazelas seculares ainda persistem: escolas rurais inacessíveis construídas em míseros casebres, educadores que ganham metade de um salário mínimo; tétano, zoonoses, seca, alta mortalidade infantil devido à falta de saneamento básico.
Segundo dados do IBGE, no Nordeste, mais da metade dos municípios não conta com rede de abastecimento de água e de esgotos.
Não há nada de engraçado em ser caipira, rural e sertanejo. Imitá-lo é piada de mau gosto. Imagine, caro leitor, a seguinte situação, alguém lhe diz: - não entendi a piada! E você responde - não entendeu a piada porque você é eterna piada!
Fazendo parte da história hilária, perde-se o referencial externo e não se identifica a cruel falha de lógica que é a mola-motriz do humor.
Mazzaropi interpretou a personagem caipira repleta de esperteza. Por que ele fez isso? O que ele tentava resgatar e denunciar? Aqui me reporto ao autêntico caipira, que está repleto de verminoses e tem unhas imundas.
Aquele outro ?caipira?, que aprendeu a desmatar para criar boi, plantar e vender soja, que ensinou aos índios como usar a motoserra e embebedar-se, seria melhor chamá-lo de ?lobbista rural?.
Sobre péssimos livros didáticos, ainda vejo neles o equívoco em retratar o índio de forma romântica, à moda de Alencar.
A história das populações indígenas transformou-se noutra caricatura, mostra-se aos alunos o índio como um fóssil vivo!
Por que os livros didáticos não ensinam que o maior genocídio não foi somente aquele praticado pelos nazistas nos campos de concentração, mas ocorreu nas Américas, nos primeiros anos da colonização contra uma população indefesa que não possuía tecnologia bélica das armas de fogo?
Os péssimos livros didáticos foram escritos para aqueles professores que não têm tempo em preparar suas aulas, porque ao receber um mísero salário precisam trabalhar em três períodos para tentar viver com um pouco de dignidade: Face monstruosa do didatismo que se adéqua às mazelas da política educacional do descaso!

É preciso ensinar aos alunos a pensar com o criticismo kantiano, concatenando um diálogo sociológico com o que está aí pronto para ser consumido e festejado e ser capaz de entender os sutis mecanismos da ideologia!
Educadores devem caminhar na direção oposta ao espontaneísmo ?didático-pasteurizado? que está imperando no ensino público.
Aos autênticos caipiras desdentados mais digno seria fazer um minuto de silêncio do que soltar rojões e pular a fogueira.


Veja mais em: Sociologia

Artigos Relacionados


- Livro DidÁtico De LÍngua Portuguesa: A Favor Ou Contra?
- Política Educacional No Brasil
- Inglês
- Sobre O Ensino De CiÊncias No Brasil
- Brasil - Disparidades
- Apresentação Do Livro ?livro Didático De Língua Portuguesa, Letramento E Cultura Da Escrita?
- Educação Nos Quilombos

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online