PUBLICIDADE

Página Principal : Educação


Democratização do Ensino - Nova Linguagem



Sociólogo suíço, Philippe Perrenoud é uma referência essencial para os educadores, em virtude de suas idéias pioneiras sobre a profissionalização de professores e a avaliação de estudantes. Perrenoud é doutor em sociologia e antropologia, professor da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Genebra e diretor do Laboratório de Pesquisas sobre a Inovação na Formação e na Educação (Life), também em Genebra. O professor deve ser um tradutor do conhecimento. Essa competência deveria estar no centro da formação inicial dos educadores, mas infelizmente isso nem sempre acontece. Não basta conhecer a matéria para começar a lecionar. É necessário rever a formação inicial dos docentes para dar mais ênfase às competências de transposição e de gerenciamento do saber. Essa habilidade se desenvolve ao longo da vida, à medida que se defronta com os obstáculos. Por exemplo, quem explica frações e percebe que talvez quatro de cada cinco alunos não entenderam absolutamente nada de sua aula deverá tentar na aula seguinte ser mais concreto, achar novos exemplos. É um processo contínuo, pois os estudantes se renovam e há sempre alguns para os quais é necessário encontrar uma linguagem nova. O ideal é que um professor que de início era compreendido por três crianças em uma classe de 30 passará a ser compreendido por seis, depois por nove, etapa a etapa, até ser compreendido por todas. Quanto mais qualificado um profissional, maior será sua capacidade de enfrentar o imprevisível. É algo que se aprende, e não é apenas na carreira de professor que é preciso improvisar. O preparar as pessoas para isso, é trabalhar a dimensão afetiva: a angústia, o medo de improvisar ou a resistência em mudar estratégias que se tornaram ineficazes.

Isso exige lutar contra toda espécie de perfeccionismo. É uma tarefa que demanda tempo. A experiência vai ensinando o profissional a discernir uma série de fatores, a tal ponto que seus alunos pensam que ele tem olhos nas costas! Ele escuta ruídos, percebe quando começa a agitação e quando a concentração diminui. Quanto maior sua capacidade perceptiva, maior sua habilidade em improvisar.

Com base em entrevista constante no site:
http://revistaescola.abril.com alice martins


Veja mais em: Educação

Artigos Relacionados


- Se Você Finge Que Ensina, Eu Finjo Que Aprendo
- Formação De Professores: Identidade, Saberes E Profissão
- Um Retrato Da Sala De Aula
- A Abordagem Cultural Da Matemática
- Avaliação Mediadora: Uma Relação Dialógica Na Construção Do Conhecimento
- O Papel Dos Educadores
- A Afetividade Na Escola

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online