PUBLICIDADE

Página Principal : Educação


A Gênese do Instituto de Educação do Rio de Janeiro




Para ajustar o Curso Normal do Instituto de Educação ao Decreto-Lei nº 8530 de 02/01/1946 ? Lei Orgânica do Ensino Normal ? foi baixado um regulamento pelo então prefeito Hildebrando Góes, ficando o Curso Normal distribuído em três séries com uma estrutura curricular que conferia maior peso às disciplinas de formação geral, em detrimento das chamadas disciplinas específicas, o que distanciava cada vez mais o Curso Normal do modelo implementado na Escola de Professores. Em discurso proferido por ocasião da formatura das alunas da turma de 1949, a professora Iva Waisberg Bonow, catedrática de Psicologia e paraninfa da turma, criticou severamente a estrutura curricular do Instituto de Educação no final da década de 1940.

Durante longos anos fostes submetidas a um currículo enciclopédico, a programas pletóricos, a horários estafantes que vos divorciaram completamente dos objetivos de um curso dessa natureza. (...) Se o curso normal pretende realmente formar professores primários, é necessário que se lhe dê uma orientação prática, ativa e experimental. É preciso que as professorandas possam ter contato freqüente com as realidades da escola e com as suas dificuldades. E esse contato nunca será prematuro, devendo começar na 1ª série normal, crescendo em intensidade pelas séries seguintes. <1>

Nilza da Silva Camargo, ex-aluna da década de 1940, por nós entrevistada, destaca a importância da ?excelente formação geral? obtida na Escola Secundária, embora suas lembranças em relação ao Curso Normal não sejam tão positivas. Mesmo reconhecendo a qualidade do corpo docente, a solicitude dos professores, sempre dispostos a auxiliar as alunas estagiárias, acredita que ?eles estavam muito distantes da realidade?, o que a levou a considerar o início de sua experiência profissional como ?desanimadora? e, de certa forma, levou-a a abandonar a docência e optar por uma carreira administrativa, na qual ?saiu-se muito bem?, tendo em vista a ampla cultura geral e ?os conhecimentos que trouxe do Instituto e que guarda até hoje?<2>
Aluna de Iva Waisberg, Aladyr Santos Lopes confessa-se ?louca por prática?, justamente o que lhe faltou no Curso Normal do Instituto de Educação. A professora de quem guarda as melhores recordações foi Alfredina Paiva e Souza, de Metodologia de Matemática, ?que mostrava passo a passo o ensino da disciplina, destacando os erros mais freqüentes dos alunos? e cujos cadernos Aladyr conserva até hoje.<3>
Ainda que não constituíssem maioria, permaneceram no Instituto de Educação durante o período do Estado Novo vários docentes que participaram da construção da obra de renovação educacional, como por exemplo, Heloísa Marinho, Alfredina Paiva e Souza, Antônio Pereira Caldas, Celso Kelly, Francisco Venâncio filho, João Batista Pecegueiro do Amaral, Josefa Rossi Magalhães, Maria dos Reis Campos, Carlos Delgado de Carvalho, Mário da Veiga Cabral, Conceição Barros Barreto, além da geração de alunos da extinta Escola de Professores, como Iva Waisberg, Geraldo Sampaio de Souza, Irene de Albuquerque, Maria Violeta Coutinho Villas-Boas e Haydée Gallo, entre outros. No final dos anos 1940, retornavam ao convívio dos antigos companheiros os professores José Paranhos Fontenelle, Edgar Sussekind de Mendonça e Mário de Brito, afastados por razões políticas desde meados dos anos 1930.<4>
No contexto de relativa democratização, pós-1945, a Congregação de Professores ? órgão criado em 1947 - utiliza como estratégia para suprir as deficiências do ensino normal a criação de Cursos de Especialização e Aperfeiçoamento, segundo orientação dada peloINEP, nessa época dirigido por Murilo Braga de Carvalho. Conforme previsto no artigo 4º do regulamento do Ensino Normal, havia a possibilidade de se criarem cursos com duração de um ano nas áreas de: Educação Pré-Primária, Didática Especial do Curso Complementar Primário, Didática de Ensino Supletivo, Didática Especial de Desenho e Artes Aplicadas, Didática Especial de Música e Canto Orfeônico.<5> Estabelecia ainda o referido documento a possibilidade de se realizarem cursos de dois anos de duração para administradores escolares ? diretores de escola, orientadores de ensino, inspetores escolares e auxiliares estatísticos.<6>

<1> Discurso pronunciado por Iva Waisberg Bonow no Teatro Municipal. In: Arquivos do Instituto de Educação, 1950, p. 67-71.

<2> Depoimento de Nilza da Silva Camargo à autora. In: Lopes, 2003, p. 245

<3> Depoimento de Aladyr Santos Lopes à autora. In Lopes, op. cit. p. 246.

<4> Segundo ARQUIVOS, vol. II, nº 3, jun 1950.

<5> Artigo 4º Regulamento do Ensino Normal ? Regimento Interno ? (1947, p. 10). Seção de Documentos ? Biblioteca Geral do ISERJ.

<6> Op. cit. Capítulo II, artigo 6, p. 11


Veja mais em: Educação

Artigos Relacionados


- O Inep Na Gestão De Lourenço Filho
- Histórico Do Currículo De Pedagogia Da Ufrj: A Versão Oficial
- Instituto Superior De EducaÇÃo Do Rio De Janeiro
- Os Principais Movimentos Sobre A Eja Em Meados Do Século Xx
- A Importância Do Enfoque Histórico Cultural Na Elaboração De Aulas De Ciências
- Lourenço Filho (importante Educador Brasileiro Da Escola Nova)
- Formação De Professores

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online