PUBLICIDADE

Página Principal : Educação


Tempo no cotidiano infantil: perspectiva de pesquisa e estudo de casos



A obra ?Tempo no cotidiano
infantil: perspectiva de pesquisa e estudo de casos? nos dá uma visão de
como a organização da aprendizagem relaciona-se com a organização dos tempos e
espaços escolares na educação infantil. Suas instituições e seus trabalhadores
se deparam com fatores e exigências envolvidos nas relações interpessoais
existentes e na preparação dos ambientes, ações, decisões e práticas. A proposta
dos autores em estudar o cotidiano educativo resultou na compreensão do
contexto, como processo no qual a duração, acontecimentos sucessivos, repetição
rítmica e sua distribuição, constituem aspectos relevantes da ecologia
( ambiente) diretamente relacionados no desenvolvimento do indivíduo, implicando
na reflexão do ?ser?. Sugerem que o primeiro passo é a observação do dia
escolar, sendo os focos centrados nos elementos significativos de cada episódio
educativo, que são: o espaço, os participantes, as atividades, os agrupamentos
ou modalidades de desenvolvimento das atividades, ações de gestão, a duração
dos episódios e a posição na seqüência temporal. Sugerem a elaboração de uma
ficha de observação desde o momento da chegada até o da saída, cuja análise pode-se
identificar: número total de atividades; o tipo e duração de situações
ocorridas; índice de continuidade e descontinuidade; e, índice das diferentes
dimensões: espaço, atividades, atores, agrupamentos e modalidade de gestão. Este instrumento permite uma pluralidade de
leituras para pesquisa avaliativa e formação docente. Mencionam que o cotidiano
na creche compreende e explicita os aspectos do fazer educativo.
Pedagogicamente, chamam de ? latentes? a anotação relacional-afetiva
entre o ambiente e o indivíduo. Alertam que para que se haja uma qualidade
da turma é necessário à existência de três fatores: a distribuição
temporal entre os episódios e o desenvolvimento das atividades
controladas pelo gestor (educador); termos de continuidade, cujos
marcadores (participantes, atividades, agregação e espaço) devem ser analisados
sob uma perspectiva horizontal do ritmo; termos de descontinuidade, cuja
leitura vertical do ritmo deve ser focada quando os educadores envolvem-se num
trabalho de vai-e-vem intenso e cansativo nos momentos de brincadeiras livres,
de interação e de descanso matutinas e vespertinas; e, eventuais
recorrências de episódios específicos no cruzamento entre os termos de
continuidade e descontinuidade, cujo estudo indicará o ritmo e os procedimentos
recorrentes de cada instituição. Atribuem ao processo de socialização infantil
e sua concepção ecológica como sendo a família e a escola microssistemas que
influenciam o crescimento da criança. Em cada ambiente existem indicadores
significativos. Em ambos acontecem as transições ecológicas mais
importantes da primeira infância, as quais influenciarão no desenvolvimento
cognitivo futuro de cada criança.


Veja mais em: Educação

Artigos Relacionados


- O Que é Educação Infantil?
- Projeto PolÍtico-pedagÓgico Da Escola: Uma ConstruÇÃo Coletiva
- Por Que Alfabetizar Tão Cedo?
- Jogo E Educação
- Psicologia Da Educação
- Relações Entre Consciência Corporal E Desenvolvimento Infantil
- Pedagogia Hospitalar

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online