PUBLICIDADE

Página Principal : Educação


Educar PARA BUSCA DO SENTIDO DO VIVER NA TERCEIRA IDADE



Um dos anseios mais antigos da humanidade talvez seja o de viver mais. A chamada ?fonte da juventude? ainda não foi encontrada, mas o avanço da ciência tem nos proporcionado uma maior expectativa de vida. Porém, com o passar dos anos, nosso organismo sofreu diversas transformações que reduzem nossa capacidade de trabalho, aumentando a propensão a determinadas doenças.

Nesse estudo, voltamos nosso olhar aos idosos. A velhice, um fator natural ligado ás fases humanas, é vista preconceituosamente. ?A sociedade rejeita o velho?, discute BOSI (1994,p.77), ?não oferece nenhuma sobrevivência á sua obra. Perdendo a força de trabalho ele já não é produtor nem reprodutor.? Tratamos o velho como se o seu tempo de produzir tenha ficado para trás, consideramos que já tenha contribuído com a produção social e que suas capacidades físicas e intelectuais estão em processo de degradação. Mas, BOSI (ibidi, p 80), nos adverte: ?durante a velhice deveríamos estar ainda engajados em causas que nos transcendemos, que não envelhecem, e que dão significados a nossos gestos cotidianos. Talvez seja esse um remédio contra os danos do tempo?.

Os estudos demográficos demonstraram que a população idosa tem aumentado com números expressivos nas últimas décadas tanto nos países desenvolvidos como países em desenvolvimento. No Brasil, o rápido envelhecimento da população encontra-se num quadro de urbanização acelerada, diminuição do número de membros da família e empobrecimento.

O envelhecimento caracteriza-se pela deterioração progressiva dos mecanismos,(fisiológicos, neurológicos, psicológicos), com prejuízos da função dos órgãos e sistemas orgânicos.Esse processo inicia-se por volta da terceira década de vida, é insidioso e linear e varia na sua forma e intensidade em cada indivíduo. Isto resulta em modificações estruturais, declínio funcional e numa menor adaptação ás alterações do meio ambiente interno e ás variações ambientais externas. LIPSITZ & GOLDBERG, (citado por Barros Neto et al., 1996).

A velhice é representada como um processo contínuo de perdas, em que os indivíduos ficariam relegados a uma situação de abandono, de desprezo de ausência de papéis sociais. Essa representação é responsável por uma série de esterótipos negativos em relação aos idosos, ficando, assim, evidenciado a importância que tem o desenvolvimento deste estudo.

Se, atualmente, a problemática do atendimento à saúde e de amparo institucional não se encontram condizente com as necessidades que se apresentam, o que esperar dos próximos anos? Como aponta Pavarine (1996, p.3), ?nesse contexto de crônica insuficiência de recursos na sociedade e na família, os idosos sofrem alto risco de abandono segregação e maus trato?. O envelhecimento apresenta modificações em múltiplas dimensões: física, mental, social, política, econômica, histórica e cultural. Muitas alterações são perceptíveis não só ao idoso como ao seu companheiro ou a sua família.No que se refere Pavarine (ibid,p.7),?A morada em asilo acaba sendo a opção tomada pelo idoso ou familiares.Há de se pensar:seria uma opção do idoso ou, como na maioria dos casos, falta de alternativas e imposição da família ?...

BIBLIOGRAFIA

BARROS, Neto. Alterações fisiológicas e atividades física na terceira idade / Envelhecimento e função fisiológica. Revista Âmbito Medicina Desportiva, n. 4, 1996.

BRANDEN, Nathaniel. Auto-estima: como aprender a gostar de si mesmo.4ªed.São Paulo:Saraiva, 1992.

BOSI, Ecléia. Memória e Sociedade: lembranças de velhos. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

CAPITANINI, Elizabeth.Marilim. Solidão na velhice: realidade ou mito ? In:ANITA Néri (Org.) E por falar em boa velhice. Campinas: São Paulo : Papirus, 2000.

ERBOLATO, Leite. Regina. Gostando de si mesmo: a auto-estima. In: E por falar em boa velhice. ANITA Néri (Org.). Campinas: São Paulo : Papirus, 2000.

FREIRE, Aparecida. Sueli. Envelhecimento bem sucedido e bem-estar psicológico. In: E por falar em boa velhice. ANITA Néri (Org.). Campinas: São Paulo : Papirus, 2000.

FREIRE, João Batista. Rumo ao universo do corpo. In: OLIVEIRA, V. M. Fundamentos pedagógicos: educação física 2. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1987.

NERI, A Liberalesso (org.) Paradigmas contemporâneos sobre o desenvolvimento e o envelhecimento. In: A. Liberalesso Néri (org.) Desenvolvimento e envelhecimento. Campinas: Papirus.2001. a

---------------------------- Palavras- chaves em gerontologia. Campinas, São Paulo: Alínea, 2001. b

OLIVEIRA, Álvares. Márcia. A alegria de viver a idade avançada: um estudo de caso com idosos institucionalizados. Natal, 1997. Monografia de Licenciatura em Educação Física. UFRN.

OLIVEIRA. Ivone. Martins de. Preconceito e autoconceito: identidade e interação ma sala de aula. Campinas, São Paulo : Papirus, 1994. (Coleção Magistério Formação e Trabalho Pedagógico).

PAVARINE, Sonia. Cristina. Dependência comportamental na velhice: uma análise do cuidado prestado ao idoso institucionalizado. Unicamp, Faculdade de Educação, Tese de Doutorado, 1996.

VITTA, Alberto. Atividade física e bem-estar na velhice. In: ANITA Néri (Org.).E por falar em boa velhice. Campinas: São Paulo : Papirus, 2000.

VOLI, Franco. A Auto-estima do professor. Manual de reflexão e ação educativa. São Paulo: Loyola, 1998.



Veja mais em: Educação

Artigos Relacionados


- A Questão Dos Direitos Humanos Na Terceira Idade
- Aposentadoria E Auxílio Ao Idoso
- Educaçaõ Física Escolar E O Verdadeiro Papel Do Educador Físico
- Corporeidade Do Idoso E O Processo Civilizador
- Estudo De Caso: A Distinção Do Currículo Prescrito Pela Ufop, Para O C
- A ImplementaÇÃo Da Capoeira No CurrÍculo Escolar Pela Prefeitura De Municipal De Campinas
- Psicologia Da Educação

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online