PUBLICIDADE

Página Principal : Artes


O GUARDIÃO DA ARTE: entrevista de Robert Hughes



O mais famoso crítico de arte vivo, Robert Hughes, diz que voltar os olhos para os mestres do passado será sempre essencial, pois, por mais que a arte contemporânea possa empolgar ela nunca poderá ser comparada àquilo que foi feito entre os séculos XVI e XIX. Tem uma predileção absoluta por Francisco Goya e sobre o mesmo lançou um livro de estudos por achar que o trabalho desse artista extrapola seu tempo e se consegue, através de sua obra, entender melhor a história da Espanha e da Europa. Afirma que mais que qualquer outro pintor, Goya permite que se obtenha um conhecimento profundo da natureza dos sentimentos e da idéia de justiça, assim como de seus reversos, a injustiça e a crueldade. Vive-se num mundo de ironias extremas e de paixões e agressões tão desatinadas quanto as de que trata Goya em seus quadros, diz Hughes. O crítico também acredita que se vive numa era muito pobre em matéria de artes visuais e apesar de se poder encontrar no mundo de hoje bons escultores e pintores, a idéia de que a arte atual possa um dia se igualar às enormes realizações do passado é um disparate. Artistas futuristas italianos chegaram a propor a destruição das obras de arte criadas no passado, para apagar sua influência, entretanto toda a arte feita no século XX, que teve algum valor, se baseou no passado, como as de Matisse e Picasso cujas fontes de inspiração foram extraídas dos artistas de renascença e do século XVIII, diz o crítico. Suas opiniões quanto a artistas contemporâneos não são animadoras: sobre Andy Warhol diz que sua obra teve alguma importância no começo dos anos 60, mas, no geral, acredita que a reputação do artista americano é superestimada; quanto a Marcel Duchamp, fala que nunca sentiu nenhum prazer diante das obras dele (o objetivo maior da arte é dar prazer) e a tal arte conceitual, criada por Duchamp, deu origem ao que chama de grande bobagem - as instalações - obras tolas que se precisa de bula para entender o que o artista diz. Quanto ao valor exagerado que hoje se dá a certas obras de arte profere ser danoso para a própria arte, pois o artista começa a ser valorizado em função do mercado e não da importância de suas realizações e sua transformação em bem de consumo de luxo muitas vezes dificulta que um dia o grande público possa contemplá-las em museus. Propaga que a arte contemporânea está valorizada e que, por exemplo, as obras de Damien Hirst, o mais conhecido artista inglês atual não terão valor daqui a vinte anos. Para Hughes, bienais não tem a mínima importância mostrando relevância somente para os negociantes de arte e afirma que por baixo da fachada novidadeira, a maioria desses eventos se transformou em feiras vulgares.A atmosfera do circuito internacional de arte é corrupta, vive de criar modismos para faturar conclui o crítico australiano, que por três décadas foi editor da revista americana Time e produziu ensaios brilhantes, mas, também ficou famoso por destruir reputações.


Veja mais em: Artes

Artigos Relacionados


- Http://pt.wikipedia.org/wiki /usuario:avaliadordearte
- Guia De História Da Arte. Guia De História Da Arte Contemporânea
- Uma TrajetÓria Pela HistÓria Da Arte
- A Linha De Tempo Da História Da Arte
- Abstracionismo
- A História Da Arte
- Arnaldo Jabor

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online