PUBLICIDADE

Página Principal : Artes


As 7 Maravilhas da Era Medieval. O Coliseu de Roma



A população romana sofria com uma condição que cada dia se distanciava entre os aristocratas e os habitantes comuns, entre eles os próprios legionários romanos.
Os habitantes da cidade de Roma na verdade, não exerciam qualquer atividade financeira significativa, não era portanto uma cidade produtiva, ao contrário, os custos para sua manutenção eram expressivos, fazendo com que a existência do sistema e de sua aristocracia regada à banquetes extraordinários em detrimento de uma maioria cada vez mais empobrecida, ficasse a cada dia mais impraticável gerando principalmente o descontentamento de suas tropas. Enquanto um aristocrata vivia com muita fartura e com banquetes intermináveis, as famílias dos soldados permaneciam à míngua com poucos recursos e na mais profunda miséria. Os custos para manutenção de cada pessoa dentro dos domínios da cidade de Roma chegaram a atingir valores equivalentes a atuais U$ 30,00 (trinta dólares norte-americanos).
Com isso, tornou-se cada vez mais necessário a aquisição de maiores extensões de terras para que um número maior de produção conseguisse manter a cidade romana. Esta condição proporcionou as batalhas e a época das conquistas territoriais que fizeram de Roma um império de proporções expressivas, desde a Ásia Menor até o Norte da Europa, incluindo parte do continente africano e o Egito.
Porém, da mesma maneira como crescia o império, também crescia a população de Roma, as famílias aristocratas, onde os então senadores possuíam um lar de família (casal e seus filhos), passaram a ser na verdade famílias numerosas de senadores, pais de senadores, filhos de senadores, netos, parentes próximos, etc.. Além disso, o trabalho forçado aplicado aos escravos, imputou uma expressiva demanda de mão de obra inutilizada para a capital, Roma, que percebeu desde então o movimento de camponeses para a cidade.
Uma das maneiras de se evitar um caos social, era a distração da população com uma atividade espetacular vivenciada em um local para esta finalidade e com isso, veio a edificação de um cenário que foi incendiado por Nero junto à uma extensa área da cidade de Roma. Posteriormente foi substituído pelo Coliseu de Roma erigido no mesmo local. Inicialmente as atividades eram apenas uma vez por semana, depois recorreram a mais vezes e no final do império já era preciso que fossem em quase todos os dias. O emprego das atividades de distração estavam associadas à distribuição alimentícia durante as batalhas do Coliseu, na política do "pão e circo" , com a clara tentativa de distrair a população descontente com sua condição social. A edificação do Coliseu de Roma foi portanto uma maneira gritante de tentar salvar um império que se desfacelava à cada dia.
Uma das intenções com a edificação, era a de trazer para o público a realidade das grandes batalhas, as lutas de gladiadores entre si e contra bestas feras como leões, elefantes, ursos e grandes animais selvagens, mas também fizeram uso do Coliseu para que cristãos viessem a ser atirados às feras no início da era cristã, dentre eles Inácio de Antióquia que foi preso e sacrificado em 110 d.C.. O cristianismo era entendido como uma prática religiosa proibida no império romano de então. Durante muito tempo também foi palco de combates preparatórios para legionários recém ingressados nas legiões romanas.
Na época de sua construção, o formato do Coliseu era ovalado e em quatro níveis que eram alcançados por corredores projetados para criar acessos exclusivos para as diferentes classes sociais. Estes corredores amplos permitiam o acesso e saída do Coliseu em pouco tempo conferindo uma mobilidade impressionante para seu tempo. Foi erigido principalmente com o uso de uma argamassa que tinha como elemento principal a pozolana, um pó que é comumente conhecido como "Pó de Mico", causa coceira e muita irritação para a pele. Este pó é de origem vulcânica, quando moído e misturado com o cal, são acrescidos de água e se convertem em uma espécie de cimento. Possuía arquibancadas de mármore, revestimento externo em mármore e bronze e capacidade total em torno de 50 mil pessoas (alguns historiadores aventam a possibilidade de que conseguisse comportar até 70 mil). Escavações recentes no seu subsolo revelaram que este ficava abaixo da arena de lutas e era coberto com madeira sobre a qual era despejada areia. Havia um labirinto intrincado e o sistema ainda contava com elevadores movidos por cordas (nada menos que 28) que faziam surgir os gladiadores e seus oponentes ou feras no meio do cenário.
Foi denominado "Anfiteatro Flavius" porque foi concretizado pela dinastia Flávia, mas era conhecido como o "Colloseum" por estar sobre a área em que fora encontrada uma estátua colossal de Nero, mais tarde identificada como o lago da casa do imperador que incendiou a cidade de Roma em 64 d.C.. Foi erguido inicialmente em 72 d.C. por ordem do imperador Flavius Vespasianus e finalizado em 80 d.C. pelo imperador Flavius Tito , seu filho. Na sua inauguração, as festas e jogos duraram cerca de cem dias, com a morte de 9 mil animais e 2 mil gladiadores.


Veja mais em: Artes

Artigos Relacionados


- Imperador Tito
- Constantino, O "grande"
- Império Bizantino
- Civilizações Primitivas - Rómulo E Remo
- Perseguição Aos Cristãos
- Roma Invicta
- A Educação Na Antiguidade Greco-romana (2)

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online