PUBLICIDADE

Página Principal : Artes


O HOMEM E A POESIA



O HOMEM   E  O  ESCRITOR

Por SOUSAFARIAS

O homem, é natural de S Bartolomeu de Messines, terra de tradições socialistas, onde casou  o Remexido e vem da linha dos Cabritas, famílias por essas bandas muito populares,  sendo filho de  Diogo Cabrita e de Mariana Nunes Cabrita,  ficando órfão de pai aos quatro anos. 

Foi viver para Faro e  depois para Olhão, onde frequentou a escola primária. Em traços gerais, a sua vida foi de trabalho, nunca abdicando da sua formação cultural. Foi um grande devorador de livros, estudou sozinho e em 1942, foi admitido na Tesouraria da Fazenda Pública de Olhão, na categoria de  auxiliar de Tesoureiro.

Foi um opositor ao regime Salazarista e esteve presente na  reunião de formação do  MUD Juvenil no Algarve, deslocando-se várias vezes a Lisboa, para reuniões do Comité Central do movimento.

Preso político em 1947, em Olhão, quando foi interrogado, teve coragem para esclarecer  que pretendia, ?apenas, mais liberdade de acção na maneira de poder exprimir livremente as suas  opiniões, publicamente, quer  faladas quer escritas?

Foi preso várias vezes, pelo menos quatro e fez um percurso semelhante ao do poeta António Simões Júnior, de quem foi contemporâneo e amigo..

O escritor e poeta Manuel Madeira, tem uma verdadeira  vocação poética. É notório isso na sua obra. Mas não é um poeta de rima fácil porque é um homem de combate  e homem íntegro. Aliás, na sua poesia, a rima não é condição necessária; o fundamental é a mensagem que o poeta quer deixar.

Tem uma obra notável em poesia, infelizmente pouco conhecida junto do meio poético do País. Mantém  íntima relação com os velhos amigos do MUDJ, com quem partilha as memórias dos tempos em que, como diz Joaquim Silvestre, queriam endireitar o mundo, ainda que entortassem as suas vidas.

A poesia é a materialização das emoções, sentimentos, ideias e pensamentos expressos através das palavras. O trabalho do poeta é reunir num modelo harmonioso essas ditas palavras  e cantá-las. A poesia deve ser cantada. Só o poeta entende o poeta. É claro que, para se  elaborar um poema, recorremos  a técnicas e recursos, colocando as palavras  no lugar que  julgamos mais adequados.

Com a poesia, pretende-se que os seus destinatários entendam a mensagem contida no poema, pela via da recepção do vasto mundo das emoções.  Se conseguir isso  o poeta é um artista e o poema uma obra de arte.. 

A raiz do que mais tarde pode gerar poesia, parece manifestar-se muito cedo no ser humano. A poesia exprime ou pretende exprimir a totalidade do ser, umas vezes terra - a- terra, sem rodeios, outras  de forma, estilo e técnicas mais requintadas e originais, porventura menos acessíveis ao primeiro contacto, como tem acontecido com obras de grande valor só mais tarde reconhecidas, permanecendo testemunho e património enriquecedor da cultura e consciência dos povos. 

 




Veja mais em: Artes

Artigos Relacionados


- A Casa Das Musas
- Texto Artístico/linguagem Poética
- Alberto Caeiro
- Manuel Bandeira (1886-1968)
- 'o GÊnero LÍrico' - EstÉtica E CriaÇÃo Verbal
- LuÍs Vaz De CamÕes
- Murilo Mendes

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online