PUBLICIDADE

Página Principal : Artes


Lusitano, ENSINANÇA DE BEM CAVALGAR



Durante o Séc XVIII, chega a Portugal, pela mão de seu marido, o nosso rei D João V, D. Ana Maria, da Casa Real de Viena de Áustria.

Traz com ela, a arte e os conhecimentos da Escola de Viena, cuja fama se prolongou até aos dias de hoje.

Ao contrário do que, ocorreu por essa época em Espanha, onde reinavam os Bourbons, de origem e gosto franceses que, quase levaram à extinção do toureio em Espanha, no nosso país e  por influência de D Ana, dá-se seguimento à tradição da tourada a cavalo.

Este facto, vai tornar-se decisivo para a manutenção da verdadeira raça, do cavalo de puro sangue lusitano, dando-se um distanciamento em relação ao cavalo andaluz, pura raza española.

É criada a Coudelaria Real de Alter em 1748 e dado um passo importante para o apuramento da raça.

Esta Coudelaria é considerada a mais antiga do mundo a funcionar no mesmo local, sem interrupções até aos nossos dias.

Vai ser esta Coudelaria, a verdadeira mãe do cavalo, puro sangue lusitano.

A sua criação em terras de Alter do chão é, segundo Ruy de Andrade, devido às boas condições agrológicas da região.

As actuais cavalariças foram em tempos, um celeiro e em seu redor encontram-se prédios com serviços (unidade de obstetrícia, centro de desbaste e testagem e laboratório de genética molecular), para garantir uma vida saudável às éguas lusitanas.

É aqui também que, se encontra a Sede do Serviço Nacional Coudélico.

 Em manhãs de Primavera, vemos as manadas de éguas e seus potros, a caminho dos pastos, por entre oliveiras e sobreiros, centenários.

Presentemente, existem 60 éguas, de pura linhagem, fruto do trabalho empenhado de muita gente. As melhores éguas, são sujeitas a testes de laboratório, testes físicos e de trabalho e cobertas pelos melhores machos, ou por inseminação manual.

As éguas, têm partos de quatro em quatro anos, até ao máximo de vinte partos, cada uma e são chamadas as ?éguas de ventre?.

Em 1887, é criada em Santarém, outra Coudelaria, mas esta como depósito de garanhões.

A criação do cavalo de pura raça lusitana, não se confina a estas duas Coudelarias, sendo que cavaleiros e ganadeiros, o têm feito com sucesso.

 Esta raça que várias vezes viu em causa a sua sobrevivência, devido a conflitos políticos, a falta de investimento e mesmo à alteração do seu património genético, já esteve á beira da extinção.

Mas para se chegar a este puro cavalo lusitano, é preciso recuar no tempo.

No Alentejo, nas grutas do Escoural, desenhos com mais de 13.000 anos, mostram cavalos e cavaleiros.

Dessa época, vem-nos o cavalo peninsular, o mais antigo cavalo de sela do mundo.

Muito procurado pelos povos da bacia mediterrânica, esteve presente nas guerras de Esparta e viajou até à Fenícia.

O cavalo peninsular, é fruto do cruzamento de animais trazidos pelos Iberos, do norte de África, pelos Celtas do Oriente e pelos povos que passaram pela Península Ibérica, como foi o caso, dos Cartagineses, Romanos e Bárbaros.

É um cavalo que não é veloz, mas em contrapartida, é ágil nas manobras e rápido a revolver-se e a estacar, isto é, a parar, o que, em tempos da guerra feita a pé ou a cavalo era uma mais valia.

Ter um cavalo, ligeiro, capaz de acelerações e viragens repentinas era assumidamente uma vantagem.

Como curiosidade, João Costa Ferreira, Director do Serviço Nacional Coudélico, no seu estudo sobre o ?Uso do Cavalo?, refere diferenças entre o cavalo ibérico e o cavalo do norte da Europa.

Ali, os cavalos, são grandes e fortes, com os estribos baixos e o homem, cavalga de perna esticada.

 Na Península Ibérica, monta-se à gineta, com estribos curtos que permitem a esgrima e o arremesso de lança e daí os cavalos pequenos e manejáveis, como o peninsular, serem os ideais.

No início da fundação da nossa identidade como povo, consta que Viriato, lutou a cavalo, contra os romanos.

Muito importante, foram as primeiras leis, sobre a criação de cavalos, do tempo de D .Fernando e o 1º Manual Equestre para Cavaleiros, um livro de Ensinança de Bem Cavalgar Toda a Sela, do nosso rei D. Duarte.

É ainda de referir que, D. José, filho de D. Ana de Áustria, fundou a Picaria Real em Lisboa, que foi destruída completamente pelo terramoto de 1755, sendo posteriormente, instalada em Belém, no local do actual Museu dos Coches e onde se dá início ao ensino da arte equestre em Portugal.

 Dois momentos importantes, para a criação do puro ?cavalo de raça lusitana?, são o Registo das éguas reprodutoras em 1911 e a entrega a particulares, do Livro Genealógico Português de Equinos, em 1967, até ali, nas mãos do Estado.

São as artes do toureio em Portugal e os seus aficionados que permitem ao cavalo lusitano, apresentar-se hoje, tal como é: nobre, generoso, ardente, dócil e sofredor.

Cada vez mais, estas artes, são tema de reflexão, pelo sofrimento desnecessário que causam aos animais, em especial ao touro.

 Contudo, cavalo e touro, há muito tempo que caminham a par e passo, dizendo-se mesmo que, foi o touro que salvou o cavalo.

Enquanto houver aficionados e as leis o permitirem, poderemos ver em Portugal ou no estrangeiro e nos mais diversos acontecimentos, esses magníficos exemplares de cavalos, de pura raça lusitana, legado dos nosso antepassados e que pela sua nobreza de carácter, a todos deve encher de orgulho.


Veja mais em: Artes

Artigos Relacionados


- A Fúria Dos Deuses
- Cassiano Campolina - Uma Vida Com Raça
- Garota Comendo Um Cavalo
- Os Finais Dos Tempos
- Mesmo A Sociedade Brasileira De Proctologia
- Apocalipse: Verdade Ou Ficção?
- Falta De Alimentos - Fome

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online