PUBLICIDADE

Página Principal : Artes


O amigo da onça



- A Onça, que é bicho valente - mas nem sempre atilado, como se pensa -, estava quietinha no.seu canto, quando lhe apareceu o compadre Lobo e lhe foi dizendo:

- Saiba de urna coisa comadre Onça; você com perdão da palavra - não é como supõe, o bicho mais valente e destemido que existe no mundo, nem também o Leão, com toda a sua prosa de rei dos animais.

- Como assim! gritou a Onça enfurecida. Então, como é isso, grande pedaço de idiota? Haverá bicho mais valente e poderoso do que eu ?

- Ó comadre, me perdoe. Estou arrependido de dizer tal coisa ..... Mas a minha intenção foi preveni-la contra um "bicho" terrível que apareceu nesta paragem. Uma pessoa prevenida vale por duas.

- Sim, não deixa você de ter alguma razão, acudiu a Onça mais acomodada. Mas sempre quero saber o nome desse bicho. Como se chama?

- Esse bicho, comadre, chama-se ?homem", conforme me disse o amigo papagaio. Nunca vi, em minha vida, animal de mais perigosa valentia. Ele sim, e ninguém mais, e que me parece ser mesmo o verdadeiro rei dos animais. Basta dizer que, de longe, o vi matar, com dois espirros, nada menos do que um leão e uma hiena. Lh! comadre com o estrondo dos espirros parecia que tudo ia pelos ares. Deus nos livre!

- Oh! compadre, não me diga!

- É como lhe conto. E o que mais admira é ser o ?bicho-homem" de pequeno porte. Parece até fraco, e é muito mal servido de unhas e dentes. Deve ser um "bicho" misterioso e encantado.

- Pois bem, compadre, estou curiosa, e desejo que, sem demora, me conduza ao lugar onde se encontra tão estranho animal.

- Ah! comadre, peça-me tudo, menos isso. Pelos estragos que, de longe, vi o homem fazer, com os seus malditos espirros, nunca me atreveria a tal aventura ...

- Pois queira ou não queira, tem de mostrar-me o "bicho", ou então agora mesmo perderá a vida.

- Lá por isso não seja, disse o Lobo amedrontado, iremos. Mas havemos de tomar todas as precauções. Eu - com sua licença - posso correr mais do que a comadre. Assim, levaremos uma embira daquelas que não arrebentam nunca. Amarro uma das pontas no pescoço da comadre e a outra em minha cintura. Em caso de perigo, se for preciso fugir, a comadre e eu correremos ...

- . Fugir! Veja lá como diz! Você já viu alguma vez onça fugir?

- Não me expliquei bem. Eu é que fugirei. A comadre será apenas arrastada por mim. Isso não é fugir. Está certo?

- Está bem. Faremos como propõe.

E partiram. A Onça com a embira atada ao pescoço e o Lobo, muito respeitoso e tímido, a puxá-la.

Quando chegaram ao destino, o "bicho-homem", surpreendido, ao avistá-los tirou da cinta a garrucha e, atarantado, bateu fogo, isto é, espirrou, uma, duas vezes, que foi mesmo um estrondo de todos os diabos.

O Lobo, então, mais que depressa disparou numa corrida desabalada, redobrando quanto podia as forças, para arrastar a Onça pela forte embira que tinha atado no pescoço dela.

De repente, já muito distante, o Lobo sentiu que a Onça estava mais pesada. Parou, então, e contemplou a companheira estendida no chão, com os dentes arreganhados, sem o mais leve movimento.

O Lobo, sem perceber que a Onça havia morrido enforcada no laço da embira - antes pensando que estivesse apenas cansada - disse-lhe, tremendo como varas verdes:

- Eh lá, comadre! não ri não, que o negócio é sério!



Veja mais em: Artes

Artigos Relacionados


- Ditados Em Inglês Ao Pé Da Letra
- Histórias Fantásticas - Chupa-cabras Duro De Engolir
- Girias Da Net(falados Em Chat)
- Crônica / Bicho Homem
- Perfume DisfarÇa Hipocrisia?
- Crônica Sobre "a Criação Do Pecado"
- O Leão E O Coelho

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online