PUBLICIDADE

Página Principal : Cinema e Teatro


A alma imoral



Haverá maior solidão do que a ausência de si? Questiona a atriz Clarice Niskier na peça A Alma Imoral, adaptação do livro do rabino Nilton Bonder. O monólogo estruturado em um constante embate entre traição e tradição, demonstra o quanto é preciso ter a liberdade de transitar de um pólo a outro para, enfim, manter-se em equilíbrio. Com exemplos históricos, íntimos, reais e fantasioso, belos, sóbrios e também graciosos, a atriz apresenta o grande conflito humano cinscunscrito à metáfora do corpo e da alma. Onde um é sempre moral e a outra imoral, ainda que tenham trocado seus papéis ao longo da história humana. É preciso trair a tradição para que haja evolução, resume; assim como é preciso defendê-la para que o grupo humano se indentifique como tal. Traição e tradição andam juntas, interligadas, assim como corpo e alma. A solução, ainda que difícil e talvez sequer possível, é encontrar no âmago de si, no fundo mais recôndido as raras respostas que são tão únicas que jamais podem representar corroboração ou traição ao que existe. A autenticidade é o encontro consigo, livre de comparações, é onde a alma pode ser plenamente. Ora moral, ora imoral, mas sempre comprometida com a integridade do ser humano, com sua subjetividade


Veja mais em: Cinema e Teatro

Artigos Relacionados


- Alma
- Educação Do Homem Integral
- Humano, Demasiado Humano
- O Mistério Dos Temperamentos
- O Sentido Da Vida Parte I
- Vida ApÓs A Morte
- O Por Que Da Fé

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online