PUBLICIDADE

Página Principal : Cinema e Teatro


Terra em transe



Glauber
de Andrade Rocha nasceu em Vitória da Conquista e, 1938.

Foi
morar com a família em Salvador onde participava de peças, programas de rádio,
grupos de teatro e cinema amador.

Começou
a fazer filmes com 19 anos (O Pátio - 1959). Mas ficou conhecido depois que fez
Deus e o diabo na terra do Sol e Terra em Transe, ele já tinha 25 anos.

Quando
aconteceu o golpe militar de 64 ele estava em Cannes para a exibição de Deus e
o Diabo na Terra do Sol, receoso em voltar ele fica um tempo na Europa, onde
escreve o manifesto ?A estética da fome?, esse manifesto traz as bases
estéticas e políticas do Cinema Novo e critica o paternalismo europeu em
relação ao Terceiro Mundo.

A proposta do Cinema Novo,
movimento do qual Glauber foi um dos fundadores, e que praticamente ?inaugurou?
com Terra em Transe, propunha um novo cinema, sendo fiel à realidade social de
nosso país, denunciando toda a pobreza e miséria que a maioria da população
vive. Pela primeira vez o ?verdadeiro? Brasil invadia as telas do cinema.

Quando
Glauber volta para o Brasil ele é preso em uma manifestação contra a ditadura.
A prisão tem repercussão internacional e um telegrama de protesto assinado por
Truffaut, Godard, Alain Resnais, Joris Ivens e Abel Gance é enviado ao
presidente Castelo Branco e apressa a saída da prisão.

No começo de 1966, vai ao
Norte do país e filma Maranhão 66, um curta documental sobre a posse do
governador José Sarney. Cenas desse documentário seriam usadas em Terra em
Transe, que começaria a filmar no segundo semestre do mesmo ano.

Terra em Transe nasceu do questionamento a respeito da passividade
da classe média e do povo diante do Golpe Militar e se transformaria no balanço
da sua própria geração.

Num país fictício chamado
Eldorado, o jornalista e poeta Paulo (Jardel Filho) oscila entre diversas
forças políticas em luta pelo poder. Ora o vemos ao lado do populista Vieira (José
Lewgoy) ora ao lado de Porfírio Diaz (Paulo Autran), o homem de direita com
tendência ditatorial.

No Brasil, o filme é
censurado no ano de seu lançamento, 1967: é considerado subversivo e
irreverente em relação à Igreja. Os créditos apresentam os nomes dos atores,
não dos personagens.

O filme é liberado com a
condição de que o personagem de Jofre Soares tenha um nome nos créditos: na
versão liberada, ?Padre Gil? é o único personagem que aparece nos créditos.

Foi com Terra em transe
que tornou-se reconhecido, conquistando o Prêmio da Crítica do Festival de Cannes, o Prêmio Luis Buñuel
na Espanha
e o Golfinho de Ouro de melhor filme do ano, no Rio de
Janeiro.


Veja mais em: Cinema e Teatro

Artigos Relacionados


- Tapete Vermelho
- O Popular Carioca Na Obra De Carlos Diegues
- Anos Rebeldes: Os Jovens Dizem Não
- Tropa De Elite é Urso De Ouro
- Cinema Paradiso
- Biografia De Ben Affleck
- Casseta E Planeta: A Taça Do Mundo É Nossa

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online