PUBLICIDADE

Página Principal : Cinema e Teatro


O Beijo da Serpente



Inglaterra, 1700 - Thomas Smithers era um rico proprietário de terras. Morava em uma mansão com a esposa, a bela e sensual Juliana, e com a filha, Thea. Thea era uma moça imaginativa, inteligente, amante dos livros, mas os pais não entendiam sua sensibilidade e a achavam desequilibrada. Por esse motivo, tinham contratado o doutor Kenelms (a graça desse personagem reside em mostrar o atraso da medicina na época: ele utiliza os tratamentos mais esdrúxulos ? sanguessugas, sangrias, ventosas ? para tratar uma garota que, na verdade, não está doente).
Em volta da mansão, havia um bosque. Thea adorava passear por ali. Thomas Smithers, entretanto, não gostava da floresta. Seguindo o pensamento mecanicista da época, considerava que a ?natureza precisa ser controlada?. Como era um homem profundamente vaidoso, Smithers sonhava em transformar o bosque em um jardim tão rico e vistoso quanto os jardins franceses. Sendo assim ele mandou chamar os dois mestres do paisagismo na época: Larousse e Chrome.
Juliana tinha um primo, James Fitzmaurice, conhecido como Fitz. Ele era apaixonado pela prima (os dois tinham namorado antes do casamento dela) e Fitz, doido de ciúmes, queria se vingar de Smithers por ter lhe ?roubado? a amada. Sabendo dos planos de Smithers quanto ao jardim, Fitz contratou um impostor para passar pelo paisagista Meneer Chrome. Esse belo jovem chegou à mansão acompanhado de um capanga de Fitz, Johnson, que fingia ser seu criado. Vestido com as roupas da moda, o falso Meneer Chrome convenceu o simplório Smithers a aceitar um projeto caríssimo para o jardim, com labirintos de plantas, portões de prata, estátuas neo-clássicas. Dessa forma, segundo o plano vingativo de Fitz, Smithers seria levado à falência.
Tanto Juliana quanto Thea ficaram apaixonadas pelo jovem ?paisagista?. Fitz, que veio se hospedar na mansão e acompanhar o golpe de perto, não gostou nada quando percebeu esse interesse. Chrome, porém, gostava apenas de Thea.
Terminado o jardim, Smithers ainda não estava falido. Então, a mando de Fitz, Meneer Chrome inventou mais duas obras caríssimas: uma estufa de plantas raras e uma colina artificial para desviar o vento.
Então, apaixonado por Thea e arrependido por ter participado do golpe, Meneer Chrome contou a verdade. A fiel criada da família, Sra. Galmoy, ouviu tudo e ficou do lado dos jovens. Eles sabiam que Fitz logo desmascararia Chrome e que, então, Smithers não permitiria que ficassem juntos. Para ajudá-los, a Sra. Galmoy envenenou o tabaco de Fitz que morreu.
Chrome contou a verdade a Smithers e Juliana. Ele tinha sido assistente do verdadeiro Meneer Chrome no passado e julgara-se apto a realizar a obra. Por isso aceitara o golpe de Fitz. Só depois descobrira que a idéia era falir Smithers. O proprietário, de fato, já estava praticamente falido, mas, mesmo assim, estava feliz com o suntuoso jardim. Acreditava que seria uma maneira de preservar o seu nome para a posteridade. Ele abençoou o jovem casal que partiu para se casar na França.


Veja mais em: Cinema e Teatro

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online