PUBLICIDADE

Página Principal : Cinema e Teatro


O Crime do Padre Amaro



Drama. México, 2002. Recém ordenado e gozando da simpatia do bispo, o jovem padre Amaro chega à cidadezinha de Los Reyes para acompanhar o padre Benito. O contato com a comunidade aos poucos revelará que são bem distintos dos pregados pela Igreja os valores que regem as relações na cidade. Acobertado pelo bispo (e pelo prefeito, que fecha os olhos a tudo), o padre Benito mantém íntima porém discreta relação com Don Chato, chefe local do narcotráfico, que usa a construção de um hospital para lavagem de dinheiro. Padre Benito mantém ainda um romance secreto com Agustina, dona da taberna local, ao mesmo tempo em que se manifesta contra opiniões progressistas, como o fim do celibato dos padres, e mesmo a Teologia da Libertação, pregada pelo Padre Natário, acusado de apoiar os guerrilheiros e por isso mesmo ameaçado de excomunhão. Procurando manter-se alheio a isso tudo e limitando-se a obedecer as orientações de Benito (por mais que lhe pareçam eticamente duvidosas), Amaro terminará por conhecer a bela Amélia, jovem filha de Agustina, nascendo daí um romance proibido que, como em toda comunidade pequena, não ficará por muito tempo em segredo. Ruben, o jovem jornalista rejeitado por Amélia, ao fazer uma reportagem denunciando as relações de Benito com Don Chato, terminará sendo afastado do jornal por pressões da Igreja, representada no caso por Amaro, com quem irá fatalmente se chocar.

Não é novidade nem surpresa que este filme não tenha obtido as graças da Igreja. Tanta podridão dentro de tão sagrado ambiente, partindo de pessoas cuja obrigação seria justamente a de preservar a pureza (da alma, pelo menos) da comunidade em que se insere, provoca natural repulsa nos setores ultraconservadores desta instituição. Tanto melhor. Relações promíscuas entre padres e fiéis (e entre a Igreja e o poder), a imprensa não se cansa de mostrar, ocorrem com freqüência, e negar isso é perpetuar crimes bem piores como a pedofilia, que aliás o filme não cita. Fora as referências ao narcotráfico, a discussão maior de O Crime do Padre Amaro ("El Crimen del Padre Amaro") limita-se mesmo ao tal pecado da castidade, a grande aberração da Igreja católica, que ao obrigar ao celibato os seus agentes, seres humanos antes de qualquer outra coisa, os leva a agir contra a sua própria natureza. Não seria exagero sugerir que a própria Igreja corrompe os seus padres, proibindo aquilo que é natural, e, portanto, divino. No caso de Amaro e Benito, e de tantos outros de que não temos conhecimento, a proibição levou à desobediência. E a primeira desobediência, por parecer tão pequena, levou à segunda, gerando um círculo vicioso de "pecados", e de mentiras para encobrir tais pecados. O resultado foi a tragédia.

Há no filme a clara intenção de humanizar ao máximo, através da exibição de seus defeitos, os personagens. Assim, mostra-se o grotesco de figuras como Dionísia, a religiosa louca que rouba hóstias para dar aos gatos e leva jovens grávidas para suspeitas clínicas de aborto. Ou o próprio bispo, exibido de forma grotesca entrando nu na banheira, gordo como um Nero pronto para cair na farra, corrupto como um senador brasileiro, cínico como a grande maioria dos homens que utilizam o poder em benefício próprio. Há Getsemani, infeliz doente mental de que se aproveitam os amantes usando-a como álibi para seus encontros. E há Amaro, jovem, belo e ambicioso, cuja paixão o torna profano a ponto de dizer que Amélia, vestida com a manta destinada a uma imagem de Nossa Senhora, "é mais linda do que a Virgem". Mas calculista o bastante para rejeitar a opção de largar a batina e exigir de Amélia os piores sacrifícios para manter o romance em segredo. Ninguém parece prestar nessa história, e, ao contrário do que afirma o bispo, a graça não "sobreabunda" onde o pecado abunda.

Com uma narrativa direta e, como disse Susana Schild no site www.criticos.com.br, " sem enveredar porsutilezas, ambigüidades, metáforas, ou simbolismos", o filme ainda assim obtém momentos de notável sensibilidade protagonizados pelo casal Amaro/Amélia. As seqüências no confessionário e a do primeiro beijo, por mais que sejam óbvias, carregam um romantismo que sempre atinge o seu objetivo, no caso graças ao desempenho dos atores. Gael García Bernal surpreende conseguindo transmitir todas as nuances do jovem padre em crise que se deixa vencer pelas tentações, enquanto que Ana Claudia Talancón esconde atrás de um delicioso rostinho angelical suas limitações como atriz.


Veja mais em: Cinema e Teatro

Artigos Relacionados


- O Exorcismo De Emily Rose
- Qual A Hierarquia Na Igreja Católica?
- Padre Cícero
- Fraude Piedosa
- Reminiscências Culturais Dos Aceiros_parte Iii
- Maria Padilha Das Almas
- Religião ? Quebrando O Celibato

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online