PUBLICIDADE

Página Principal : Cinema e Teatro


"The Doors", o filme.



?The Doors?, de Oliver Stone: retrato mítico ou difamação?

O filme ?The Doors?, dirigido por Oliver Stone, ganhou vida em 1991 e tem Val Kilmer no papel de Jim Morrison. Alguns defendem que o trabalho de Kilmer se aproxima da perfeição (concordo); outros dizem que o filme ofusca a presença dos outros integrantes do The Doors (concordo); outros tantos afirmam que o filme é uma difamação da figura de Morrison e de toda a banda (concordo). Bem, diante de posições tão diversas, só tenho a concordar com todas elas.

O trabalho de Val Kilmer é mesmo extraordinário, a ponto de se ver em algumas cenas uma semelhança inegável com o Morrison real. Ademais, os próprios Ray Manzarek e John Densmore (tecladista e baterista do Doors) elogiaram publicamente a performance de Kilmer.

Ray Manzarek, mesmo com críticas positivas sobre o ator, não se cansa de defender que o Jim Morrison retratado no filme não é muito fiel ao original. Em vários veículos de comunicação (programas de tv americanos, revistas especializadas e até mesmo em seu livro ?Light my Fire? ? lançado com a intenção de desmistificar Morrison), Manzarek admite que Stone realçou a parte mítica que envolveu a banda, levando ao público um Morrison sombrio, cansativamente ébrio, desprovido de toda a bagagem intelectual que adquiriu em vida e excessivamente dramático.

Soma-se a isto, o fato de algumas cenas terem sido inventadas, conforme atesta Manzarek: a cena do incêndio (onde Jim coloca fogo no closet com sua namorada Pamela Curson dentro), a cena do almoço (onde Pamela ameaça esfaquear Jim) e a cena em que ?Light my Fire? é vendida a um comercial como jingle (e Morrison furioso atira uma televisão contra os colegas dentro do estúdio), NUNCA EXISTIRAM.

Compreendo (como fã e estudiosa de The Doors ? Jim Morrison) que a intenção de Oliver Stone era de fazer jus a imagem mítica e grandiosa que Jim criou para si mesmo. Afinal, alguém faria também um filme sobre Janis Joplin retratando seus momentos de sobriedade cotidiana? Mas, a intenção de justificar o personagem mítico resultou em inverdades e exageros.

Por exemplo, a influência xamânica de Morrison adquirida em um acidente de carro visto por ele na estrada, onde segundo o próprio, o espírito falecido do índio passou a lhe habitar, é uma história ou até mesmo uma fábula contada pelo cantor. Tal como o mistério acerca da entidade Mojo Risin e muitos outros aspectos, este episódio não é passível de comprovação efetiva.

Daí, para se fazer justiça a história enraizada na figura de Jim, Stone introduz uma cena onde Manzarek avista Morrison dançando com espíritos indígenas em um show. Inverdade? A cena foi baseada em um relato de Manzarek, que disse que em certo show, sentiu que a energia de Morrison havia desaparecido do palco. Isto exemplifica os tipos de exageros cometidos ? a ponto de fazer Manzarek lançar um livro para desmenti-los.

Voltando a Jim, me pergunto se ao lugar de cenas duvidosas caberia mais exposição sobre sua bagagem intelectual. Pois, nada se falou de sua influência rimbaudiana, suas criações poéticas (salvo uma mísera referência a um de seus livros no final do filme) e suas performances baseadas em Artaud.

Ao lado das cenas que enaltecem a loucura e o vício, seria de bom grado vermos outras explicações. Pois, conforme as palavras de Paul Rothchild (produtor até 71 e um dos descobridores da banda), Jim era um literato e raramente era visto sem um livro nas mãos. Também este lançou livros em vida (?Uma oração americana?, ?Os lordes e as novas criaturas? e ?Abismos? ? compilações de poesias soltas em cadernos antigos) e é assunto de artigos, testes e dissertações acadêmicas em várias faculdades de todo o mundo.

Saberão os telespectadores, que o inesquecível show de Miami (onde culminou em caos total) ganhou vida graças a uma influência de Artaud? No imaginário, o tal do índio poderia ter lançado um ?feitiço? final em Morrison. Mas, de fato, naquele espetáculo, Morrison tentava ? ao seu modo enlouquecido ? provocar a platéia, conforme o ?Teatro da Crueldade?.

Enfim, o filme é até razoável. Ao seu modo, mostra a conturbada relação Morrison-Curson, os shows como rituais que muitas vezes eram, os vícios e a personalidade indomável e insana de Jim Morrison ? todos estes verdadeiros. A questão é mais os exageros, lacunas e invencionices desnecessárias para sustentar a mistificação de Jim Morrison.

Dos aspectos positivos, pelo menos, Oliver Stone soube escalar o ator adequado, retratar os shows com bons efeitos e se esquivar das controvérsias acerca da morte do Rei Lagarto.


Veja mais em: Cinema e Teatro

Artigos Relacionados


- Desejo E Reparação
- Remakes - O Massacre Da Serra Elétrica
- Nobel, Nobéis
- Sweeney Todd
- Jogos Mortais 3 - Saw 3
- Criticas Comparativas E Opiniôes Adversas Sobre Unforgiven
- Forrest Gump

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online