PUBLICIDADE

Página Principal : Cinema e Teatro


Esperando NOVOS GODOTS



Samuel Beckett em 1953 genialmente escreveria ?Waiting for Godot?, que traduzido para o português seria, ?Esperando Godot?.

Ao mesmo tempo em que se fala o nome Beckett, o nome Godot surge como expoente e que por sua vez, instantaneamente, desperta diversas questões sobre a espera. O que esperam seus personagens? O que cada um de nós espera?

Infelizmente tudo o que se pode dizer a respeito disso, são especulações acerca da proposta de Samuel Beckett.

Podemos discorrer, entretanto, a respeito do que é concreto em sua obra. Enquanto propõe uma espera interminável por algo que não sabemos exatamente o que é, o autor avança sobre nossas cabeças desconstruindo a noção dramática até então conhecida da obra teatral.

Anteriormente a isso, a obra dramática era restrita ao desencadear lógico de uma seqüência de ações que por subseqüência desencadeia diálogos, e que, outra vez resulta em outras ações. Porém a pergunta de Beckett sobre esses padrões é: E se nada acontecer? Se ninguém disser nada? E se ninguém fizer nada? Resta esperar Godot.

Rompendo com a significância lógica do texto e excluindo o mesmo como engrenagem principal para o desenvolvimento das ações, o autor desestrutura, segundo os princípios do drama, a obra como ato dramático. Colaborando com isso a ação inerte de esperar por algo, torna aparentemente inútil o ato teatral. Mas, entretanto, a maestria com que Beckett conduz a ?narrativa? utilizando-se do cômico como elemento tanto atrativo quanto de distanciamento, nos leva a perceber as nuances e a criar diversos outros questionamentos pessoais talvez muito superiores aos próprios questionamentos teatrais.

Através desses elementos o autor abre mão de toda psicologia embutida nas personagens, fazendo com que as mesmas se esmaeçam por entre o tema. Isso quebra com a ilusão gerada pelo drama fazendo com que o público aceite aquela representação não como forma de realidade, mas como proposta teatral.

Através desses artifícios inovadores, Beckett lança uma analise espessa sobre a condição humana. Abordando o ?nada? como tema e colocando suas personagens na condição de meros agentes passivos, ele consegue lançar ao público questionamentos de uma forma extremamente eficaz. Ao fim do espetáculo, o que fica aos espectadores não é a trama propriamente, mas o caminho sem fim a que o tema leva.

A incomunicabilidade e a angustia comum às suas obras, também presente em ?Esperando Godot?, anuncia a própria relação do homem com sigo mesmo. Todos nós, sem exceção, esperamos por algum ?Godot?. Talvez por esse fato, Beckett tenha um apego tão próximo a nós. Várias significâncias podem ser discorridas a respeito dessa espera.

Alguns acreditam que ?Godot? é a figura que representa a morte. Sendo aquela que todos nós definitivamente e inexoravelmente esperamos e não conhecemos. Outros encaram a espera por ?Godot? como sendo a busca dos homens por Deus. A justificativa para esse ponto de vista vem da especulação de um possível jogo de Beckett com a palavra Godot e a palavra God, vinda do inglês significando Deus.

Acreditamos entretanto que a genialidade e a maestria de Samuel Beckett, vem justamente em abrir o tema para as diversas possíveis interpretações de seus espectadores. Essa abertura no tema em consonância às já ditas incomunicabilidades e angustias e o rompimento com as normas dramáticas, faz com que o ?nada a dizer? de Beckett diga tudo e um pouco além do que é necessário dizer.

Concluindo, ?Esperando Godot? realmente não pode ser classificado como uma obra dramática. Sua trama não desempenha fator algum, seus personagens não apresentam nenhum caráter claro, e o desenrolar dramatúrgico não acompanha sua seqüência de ações. Porém sua significância se apresenta no contexto total como obra artística, deixando a comunicação para o subjetivo e lançando para o espectador, além da reflexão, a tarefa de desempenhar por sua própria vontade e decisão a ação realista ou real dramática.



Veja mais em: Cinema e Teatro

Artigos Relacionados


- As Personagens
- Estratégias Narrativas
- O Tempo Na Narrativa
- O Debate Teatral
- Vestido De Noiva
- "o Que É Literatura" (parte Ii)
- O Foco Narrativo

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online