PUBLICIDADE

Página Principal : Teoria e Crítica


Entrevista ? Espetáculo ou compreensão?



Fichamento

Edgar Morin enumera quatro tipos na classificação da entrevista na comunicação coletiva:

Entrevista-rito: obter uma palavra que não tem outra importância senão a de ser pronunciada. Palavras são rituais que completam a cerimônia.
Entrevista anedótica: entrevistador e entrevistado permanecem fora de tudo que possa comprometer. Situa-se no nível dos mexericos.
Entrevista-diálogo: entrevistador e entrevistado colaboram no sentido de trazer à tona uma verdade que possa dizer respeito à pessoa do entrevistado ou a um problema.
Neoconfissões: o entrevistado efetua um mergulho interior. A confissão pode ser considerada um strip-tease da alma, que pode ser um objeto de manipulação sensacionalista.
Observa-se o entusiasmo de Morin pela raridade das duas últimas, e a crítica à superficialidade das duas primeiras.
Agrupam-se as entrevistas em duas tendências:
Espetacularização do ser humano
Compreensão do ser humano (aprofundamento).
Há subdivisões:

Subgêneros da espetacularização:

Perfil do pitoresco: caricatura do perfil humano. Salienta a fofoca, o grotesco, traços sensacionalistas.
Perfil do inusitado: procura-se extrair o que caracteriza o entrevistado como exótico.
Perfil da condenação: força a entrevista para que o ?bandido? seja implicitamente condenado. Trata o ser humano dentro da redução mocinho/bandido.
Perfil da ironia ?intelectualizada?: extrai do entrevistado uma forma de condenação. Suas idéias são ironicamente contestadas. As seleções de frases, as contradições ocasionais, isoladas do contexto, acabam por transformar em monstro o mocinho original.

Subgêneros da compreensão:
1. Entrevista conceitual: o entrevistador busca bagagem informativa, põe sua curiosidade e espírito aberto a serviço de determinados conceitos que o entrevistado detém.
2. Entrevista/enquete: o tema é o fundamental da pauta, e procura-se mais de uma fonte para depor em relação ao tema.
3. Entrevista investigativa: aquela que vai investigar onde a informação não está ao acesso do jornalista.
4. Confrontação/polemização: em temas polêmicos onde se pressente a semente da discórdia, os veículos de comunicação coletiva apelam para o debate, a mesa-redonda.
5. Perfil humanizado: é uma entrevista aberta que mergulha no outro para compreender seus conceitos, valores, comportamentos, histórico da vida.

A entrevista jornalística é uma técnica de obtenção de informações que recorre ao particular, e se vale da fonte individualizada e lhe dá crédito. Muitas vezes se atribui esse crédito apenas a fontes oficiais (do Poder).

Fronteiras entre a entrevista jornalística e às técnicas das Ciências Sociais:

Nas Ciências Sociais, quando é feita uma enquete, a técnica de amostragem é rigorosa. No jornalismo, o aleatório é o específico.
O entrevistador se orienta pela arte de construir a entrevista dentro de leis que configuram o jornalismo: atualidade, universalidade, periodicidade e difusão.
As Ciências Sociais tentam recapturar o tempo e o espaço do homem, enquanto jornalismo lida com as contingências da presentificação.
O entrevistador de Ciências Sociais é preparado, aprende técnicas; o jornalista age no improviso, ?aprende? no clima da redação.
Entretanto, esta fronteira só se estabelece por deficiências do aprendizado. Se o entrevistador de Ciências Sociais é preparado, o repórter também deveria ser, pois ambos têm de investir no aprendizado


Veja mais em: Teoria e Crítica

Artigos Relacionados


- Entrevista - O Diálogo Possível
- Entrevistador Entrevistado - Relações Assimétricas No Discurso
- História Oral. Possibilidades E Procedimentos.
- Derek Walcott Defende A Cultura Mestiça
- Travesti Conta Detalhes Sobre Episódio Com Ronaldo Fenômeno
- A Voz De Deus!
- A Abordagem Cultural Da Matemática

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online