PUBLICIDADE

Página Principal : Teoria e Crítica


Territórios Alternativos



Espaço, Território, Modernidade (pós?)

O autor começa por expor alguns conceitos de espaço segundo a visão de diferentes personalidades como Foucault e a sua ?microfísica do poder? ligada a noção de Panoptismo, como forma de controle, Guattari e seus estudos de Territorialidade, e Maffesoli com sua análise sobre os ?territórios tribais?.
Nesta breve explanação o autor coloca em questão a tradicional visão lançada sobre a modernidade, na qual ela é conduzida por um único olhar como uma evolução contínua e sem choques (tanto com o novo que se impõe quanto com o velho que resiste), não incorpora a diversidade, a constante invenção do novo.
Por fim acusa a burguesia como responsável pelo atual quadro e afirma ser necessário para sua permanência a constante recriação do caos.
O espaço é parte indissociável de todo esse processo. Neste sentido torna-se importante sua análise. Para Guattari ?o objetivo da produção da subjetividade capitalista é reduzir tudo a uma tábua rasa? desqualificação.
Deleuze e Guattari destrincham a relação entre exploração-capitalismo (desenvolvimento de uns versus exploração de outros), como Marx fez, mas vão além e mostram como a acumulação de capital é dependente, dentre outras coisas, do ressentimento e da tristeza (depressão). Numa maneira coincidente com Marx, D&G celebram a ?desterritorialização? criativa (em outras palavras, tudo que é sólido se dissolve no ar) que vem como efeito colateral do capitalismo. A solução para a ?desvalorização? da vida (evidenciada pela relação entre capitalismo e guerra, quente e gelado, no comunismo, crimes e terror, e é claro) é, segundo D&G, promover a desterritorialização, evitando assim a ?reterritorialização?. Arquitetos como Toyo ito, com a Garota Nômade de Tóquio, e Constant, com a New Babylon, são fortemente influenciados por estes conceitos, e propõem ?espaços desterritorializados?.
D&G falam sobre a relação entre a produção do espaço e o poder, e isso é um tópico recorrente dentre os situacionistas, como Constant, e os chamados ?cyberarquitetos?, como Toyo Ito. Importante ressaltar que D&G falavam do mundo virtual (o World Wide Web, www...) muito antes da internet se tornar uma rede de conexão virtual entre as pessoas. O apelo anárquico de D&G por uma autonomia individual radical nunca soou tão real e possível quanto agora.
Tendo em vista estes conceitos ele propõem uma nova leitura sobre a espacialidade, além da visão meramente econômica, e se volta para os espaços produtivos, se detendo nos ?espaços disciplinares? e nos ?espaços simbólicos?.
O primeiro tem por base nas próprias palavras do autor ?uma função basicamente disciplinar e de adestramento? (FOUCAULT). Instituições destinadas a ?normalização? dos indivíduos de uma sociedade, permitindo assim seu ?bom funcionamento?.
Todo esta explanação esta muito bem representada, fisicamente, pelo Panóptico de Bentham, claro dispositivo de controle: basta colocar um vigia na torre central e em cada cela trancar um louco, um doente, um condenado, um operário ou um escolar. Pelo efeito da contraluz pode-se perceber da torre, recortando-se claramente sobre a claridade as silhuetas nas celas, constantemente visíveis ? ?ver sem parar e reconhecer imediatamente? (FOUCAULT).
Obviamente essa opressão gera uma resposta, os ?contra-poderes? (resistência ao panoptismo das instituições), como pode ser constatado nos fracassos de muitas cidades construídas para o operariado.
Já os espaços simbólicos trazem consigo o valor simbólico como signo para determinada sociedade ou grupo. Em cima dessa idéia se desenvolve grandes projetos preservacionistas que mais que respeito ao seu valor histórico-artístico tem por fim o resgate ou o enfatizamento de identidades e ideologias dominantes.
Por fim o autor recorre a metrópole, sendo o espaço mais representativo da modernidade. Espaço em que claramente se reproduz os efeitos espaciais de uma multiplicidade de funções que se entrelaçam e acabam por produzir novas mudanças no território sempre novo.


Veja mais em: Teoria e Crítica

Artigos Relacionados


- A Escola Como Aparelho Disciplinar
- Noites NÔmades: Espaço E Subjetividade Nas Culturas Jovens Contemporâneas
- A Fragmentação Do Espaço Público
- O Capital
- A Mobilidade Das Multidões: Comunicação Sem Fio, Smart Mobs E Resistência Nas Ci.
- Artesanato E Indústria No Cenário Amazônico: Questões éticas, Estéticas E Simbólicas.
- Finalização Do Resumo "as Conseguencias Da Modernidade"

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online