PUBLICIDADE

Página Principal : Teoria e Crítica


Mais Rápido que a Luz



O Erro de Einstein e suas consequências na Cosmologia actual

- Resumo do livro ?Mais Rápido que a Luz? de João Magueijo -
Albert Einstein viveu numa época em que imperava com bastante acuidade, o fundamento religioso de que Deus terá criado o Universo e assim permaneceria para todo o sempre. Daqui que, quando em 1915 Einstein concluiu a Teoria da Relatividade Generalizada , a qual incorpora a gravidade, teve certamente uma surpresa imediata e desagradável ? o Universo não era estático.
Cedo, Einstein deparou-se com este seu problema porque a gravidade é sempre atractiva, e como tal, o Universo, para ter as dimensões que hoje tem, teria de ter nascido duma explosão monumental ? o Big Bang , o qual, por força da gravidade atractiva, esta expansão seria travada, seguindo-se uma contracção até ao chamado Big Crunch. Daqui que o Universo ou estava em expansão ou estava em contracção. Mas Einstein não queria admitir um Universo em movimento. Ele teria que permanecer tal como Deus o criou. Foi este preconceito que levou ao Erro de Einstein .
Assim, se o Universo é estático, deverá haver uma força que contrarie a atracção gravítica e esta só poderia estar no vácuo ou no ?nada?, espaço que permeia toda a matéria. Se a gravidade depende da massa e da pressão a que qualquer corpo está sujeito, então o vácuo deverá ser uma fonte poderosíssima de energia, a qual deve gerar uma força repulsiva. Tal deverá ser uma pressão de sinal contrário, ou seja, o vácuo terá de estar sujeito a uma tensão fantástica e não pressão, ao ponto de ultrapassar o efeito da própria massa e gerar uma gravidade repulsiva. Este efeito definido por Einstein com a letra grega lambda, é hoje chamado de Constante Cosmológica . Bastou então a Einstein calcular o valor desta constante repulsiva que compensasse a atracção gravítica e ?Eureka?, o Universo afinal é estático.
Mais tarde, Alexander Friedmann, provou por cálculos matemáticos precisos, que a Teoria Geral da Relatividade levava a um Universo em expansão de três modos possíveis. Em 1922, publicou tudo isto numa revista alemã, tendo Einstein sido obrigado a assumir a constante cosmológica, como o maior erro da sua vida. As previsões calculadas por Friedmann vieram depois a ser reforçadas pelas observações de Hubble, as quais demonstraram que os corpos celestes se estavam a afastar, e portanto o Universo se expandia.
Para finalizar, diga-se apenas, que tanto os cálculos de Friedmann como as observações de Hubble derrubaram o Universo estático, mas a constante cosmológica, tenha ela o valor que tiver, permanece nos dias de hoje, ao ponto da referida força repulsiva estar sempre presente nos estudos da actual comunidade científica.
Já agora, interroga-se o autor do presente resumo, se esta constante cosmológica não será efeito da tão célebre matéria negra que não se vê, mas que é percebida a sua existência, e que já é aceite como a componente primordial que impregna o Mundo em que vivemos. .


Veja mais em: Teoria e Crítica

Artigos Relacionados


- Einstein: O Enigma Do Universo
- A Linguagem De Deus
- 32 Maneiras De Se Escrever A Palavra Deus
- Quem Somos Nós
- Limbo
- Recursos
- Naturistas Europeus Viajarão Nus Para Congresso No Brasil

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online