PUBLICIDADE

Página Principal : Teoria e Crítica


Macunaíma, Mário de Andrade e a construção da cultura brasileira




Macunaíma, ?Mário de Andrade e a construção da cultura brasileira?

Resumo da Palestra de José Miguel Wisnik, professor de literatura da USP.

Ele afirma que não se pode separar a arte de Mário de Andrade da experiência que ele viveu: São Paulo se desenvolvendo nos anos 1920-30.

Mario de Andrade representa a velocidade e a simultaneidade e quebra com a arte que até então havia sido feita, a arte tradicional, para criar uma arte moderna. Ele era músico e utilizava seus conhecimentos de música na literatura, sua linguagem, assim como São Paulo, é simultaneizada e múltipla, ?antropofágica? (apreende tudo que é exterior e a partir disso cria algo que é próprio e singular). Para Mario de Andrade, a poesia, assim como a música, devia ser polifônica, rompendo com a linearidade, sua poesia é uma sobreposição de imagens.

Wisnik continua afirmando que a modernização da cultura brasileira passou pela Bahia no séc. XVII, Minas Gerais no séc. XVIII, Rio de Janeiro no séc. XIX e São Paulo no séc XX. Afirma que Mario de Andrade teve dois momentos, no primeiro momento, ele adota uma visão cosmopolita do Brasil, e no segundo momento, propõe a nacionalização da cultura brasileira.

A base para isso ele encontra na cultura popular (anônima e coletiva), que seria um fundo perdido da cultura brasileira que o artista deve resgatar, redescobrir; pois para Mario de Andrade existem dois ?Brasis?, um escrito, erudito e europeu e outro iletrado, popular e nacional, e ao artista caberia a responsabilidade de unir estes dois ?Brasis?.

Segundo ele, a música popular é a maior riqueza do Brasil, pois foi construída através dos séculos.

Ao Macunaíma, Mario de Andrade chamou rapsódia, e não romance, pois foi baseado em musicas, cantigas, lendas e ditos populares. O personagem Macunaíma inclusive já existia em lendas indígenas.

Macunaíma precisa vir a São Paulo para recuperar muiraquitã do monstro gigante mascate ítalo-peruano Venceslau Pietro-Pietra, que já havia morado no Pernambuco e era piaimã. Macunaíma não tem pai, como muitos outros heróis e semi-deuses. Ele nasce fruto da mãe com a escuridão.

O fato do muiraquitã, que é mágico, ser roubado por um comerciante e transformado em mercadoria no seu mercado-museu, representa(ou reflete) a tendência real de toda forma de arte ir sempre parar nestes dois lugares: mercado e/ou museu.

No Brasil, as maiores criações saem da mistura do público com o privado e as maiores sacanagens também, porque, segundo Sergio Buarque de Holanda, também modernista, ?O Brasil é marcado pela mistura do público com o privado?

Ao final do livro, Macunaíma não agüenta a realidade do Brasil (do mundo/ da vida) e transforma-se em estrela, para viver para sempre do lado de sua amada Ci, a mãe do mato.



Veja mais em: Teoria e Crítica

Artigos Relacionados


- Grande Otelo
- Antropofagia
- Semana De Arte Moderna.
- Sérgio Buarque De Holanda
- Obra
- Os Gnomos Modernos De ZÉ Andrade
- Modernismo: TradiÇÃo E Ruptura

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online