PUBLICIDADE

Página Principal : Teoria e Crítica


Fernando PESSOA (1888-1935 )



Fernando Nogueira Pessoa nasceu em Lisboa, em 1888. Órfão aos cinco anos, foi levado por sua mãe, que se casara pela segunda vez, para África do Sul. Em Durban, fez o curso primário e o secundário, chegou a alcançar o prêmio de relação em inglês.Regressou a Lisboa em 1905 e matriculou-se na Faculdade de Letras, mas abandonou-a logo depois. Viveu daí por diante como correspondente de línguas estrangeiras. Foi crítico da Águia, órgão da "Renascença Portuguesa", e colaborador de Orpheu, Athena, Contemporânea, Presença. Em 1934, concorreu ao prêmio do Secretariado Nacional de Informação, com Mensagem, mas só obteve o segundo lugar. Faleceu em 1935, corroído por cirrose hepática, advinda de seus desregramentos alcoólicos.



Caso sui-generis na Literatura Portuguesa, Fernando Pessoa representa a superação de um grande ciclo poético iniciado em Camões. De fato, assimilando em si toda a experiência lírica tradicional e adequacionando-a à sua estranha personalidade, pôde acrescentar-lhe matizes originais e abrir um novo ciclo lírico, já evidente na larga influência que exerce entre os poetas de Língua Portuguesa. Sua poesia, atribuída aos heterônimos ( Álvaro de Campos, Alberto Caeiro, Ricardo Reis), que são outros-eus de sua personalidade multidividida, a fim de melhor conhecer todos os lados da verdade, ou todas as verdades, - tem por base o verso que lucidamente plasma seu processo criador. "O que em mim sente 'stá pensando". Por outras palavras, a inteligência, exigentemente indagadora e analítica, debruça-se sobre os dados da sensibilidade para os fixar e os conhecer. Emoção pensada, ou íntimo consórcio da sensação com a idéia que a inteligência formula em torno da mesma. Tal processo obriga a um constante jogo entre o ser e o não-ser, que destrói toda afirmação ou toda verdade básica, graças ao poder diluidor da inteligência. Nada se lhe resiste, e o Poeta acaba por negar qualquer verdade que não contenha na raiz, uma contradição, isto é, a análise profunda das coisas desmancha-as porque lhes descobre o paradoxo interno, provocador de anarquia e caos. O pensamento, assim, verruma a sensação poética para fixá-la, para "limpá-la" das "verdades" aceitas pela tradição e pelo vulgo, como se fossem idéias feitas que o ato de pensar descobre falsas ou mentirosas. Esse processo aniquilador confere à sua poesia um caráter niilista que não deve iludir ou surpreender, visto tratar-se de uma organização mental extraordinariamente lúcida, (1ue remove todo conhecimento já catalogado, em busca dum absoluto que a razão nega e a sensibilidade repudia. O intelectualismo, apoiado numa linguagem de síntese individualíssima, aproxima-o do filósofo, que não chega a ser pelo fato de seu conhecimento do mundo ter por base ainda a emoção, embora emoção pensada. É, por isso, dos maiores poetas portugueses (ao lado de Camões e Antero), e dos maiores poetas europeus.



BIBLIOGRAFIA



DO AUTOR/ consultar:



Poesia - Mensagem, Lisboa, 1954; Poesias de Fernando Pessoa, Lisboa, 1942; Poesias de Álvaro de Campos), 1944; Poemas de Alberto Caeiro, Lisboa, 1946; Odes de Ricardo Reis, Lisboa, 1946; Poemas Dramáticos, Lisboa, 1952; Poesias Inéditas, Lisboa, 1955-196, 2 vols.; Quadras ao Gosto Popular, Lisboa, 1965.



Prosa - Páginas de Doutrina Estética, Lisboa, (1946); A Nova Poesia Portuguesa, Lisboa, (1944); Análise da Vida Mental Portuguesa, Porto, (s.d.) (Ed. por Petrus>; Apologia do Paganismo, Porto, (Ed. por Petrus); Obra Completa, Rio, Aguilar, 1960. Páginas Intimas e de Auto-Interpretação, Lisboa, 1966.



A RESPEITO DO AUTOR/ Consultar:



COELHO, Jacinto do Prado _ Diversidade e Unidade em Fernando Pessoa, Lisboa, Ocidente, 1949.



TRAMBASAGUAS, J. de - La Poesía de Fernando Pessoa, Madrid, 1955.



HOORCADE, Pierre - A Propos de Fernando Pessoa, Sep. do Bulletin des Études Portugais, Lisboa, 1952.



MOISÉS, Massaud - Fernando Pessoa (Aspectos de sua Problemática, São Paulo, IEP, 1958.



MONTEIRO, Adolfo Casais - Estudos sobre a Poesia de Fernando Pessoa, Rio, Agir, 1958.



Teoria e Crítica

Artigos Relacionados



 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online