PUBLICIDADE

Página Principal : Teoria e Crítica


Como e por que ler



Harold Bloom é provavelmente o crítico literário mais influente da atualidade, principalmente sobre Shakespeare. É inimigo declarado das várias vertentes do multiculturalismo e prega que a literatura é uma atividade de paixão. É exatamente essa paixão que ele quer inspirar nos leitores de seu Como e por que ler (Trad. José Roberto O?Shea. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. 276 p.), mais uma obra sua que lida com a literatura canônica ? aquela dos grandes mestres de todos os tempos. Parte, assim, de obras célebres da chamada literatura universal, para dar sua visão original sobre o processo de criação ficcional.
Um dos aspectos que mais tem chamado a atenção nessa obra é a pulsão prescritiva do autor para se alcançar o máximo prazer na leitura, para o quê oferece os conselhos (quase leis), tais como: não desperdiçar energia, fazendo leituras sem critério, não abandonar o conteúdo irônico da literatura, não impor suas preferências aos outros e partir do pressuposto de que a satisfação e o prazer devem ser o objetivo central do leitor em contato com qualquer obra. Ele se utiliza de poemas, peças de teatro, romances e contos de autores celebrados para ilustrar essa relação afetiva leitor-texto. Em suma, Harold Bloom quer dizer: pegue um bom livro, envolva-se na leitura e deixe que os críticos e teóricos discutam. Mais emoção e menos razão no ato de ler.


Veja mais em: Teoria e Crítica

Artigos Relacionados


- A Tempestade
- O Que é Literatura
- Direito E Literatura
- "o Que É Literatura" (parte Ii)
- Shakespeare E O Pensamento Renascentista
- O Autor E A Personagem Na Atividade Estética
- Literatura E Sociedade

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online