PUBLICIDADE

Página Principal : Teoria e Crítica


Das utopias ao mercado



Néstor Garcia Canclini é reconhecidamente discípulo de Mikhail Bakhtin, que defende noções já antológicas, tais como ?carnaval? e ?polifonia? no romance dialógico. Em ?Das utopias ao mercado?, esse autor traz a questão do museu como uma das instâncias de legitimação da arte e da cultura, como é fio condutor da obra da qual esse ensaio faz parte: Culturas híbridas; estratégias para entrar e sair da modernidade (trad. Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. São Paulo: EDUSP, 1998. p. 31-66).

?Das utopias ao mercado? faz parte de certa postura da contemporaneidade em reconhecer que a autonomia da arte tem sido condicionada por fatores não-estéticos. Ao passar pelos quatro movimentos fundamentais que constituem a modernidade: um projeto emancipador, um projeto expansionista, um projeto renovador e um projeto democratizador, Canclini aponta conflitos entre eles. Daí a consequente crítica feita a alguns teóricos e historiadores que exaltam a autonomia da arte, mas que, ao também exaltarem as práticas do mercado e da comunicação massiva ? incluídos aí os museus ? estimulam a dependência dos bens estéticos de dinâmicas extra-estéticas. O autor também demonstra como as vanguardas levaram ao extremo a busca de autonomia na arte, com fracassos coletivos e pessoais, que poderiam ser colocados como exemplo máximo das contradições entre os projetos modernos.

A partir daí, Canclini propõe um caminho antropológico, baseado no saber que essa disciplina pensou sobre o ritual, para problematizar ? a partir do fracasso da arte de vanguarda ? o declínio do projeto moderno. Estabelece-se o que Octavio Paz chama de ?a tradição da ruptura?. Ou a restituição do rito sem mitos, quando a arte se torna, antes de mais nada, um campo privilegiado de investimentos. Talvez por isso a dificuldade de historiadores e críticos para evitar falar de forma elitista da cultura moderna quando se defrontam com a diferença entre o ingênuo e o popular. Finalmente, nas palavras do próprio autor: ?o ?outro? do mesmo sistema é mais poderoso que a alteridade de culturas distantes, já submetidas econômica e politicamente, e também mais forte que a diferença dos subalternos ou marginais na própria sociedade?.




Veja mais em: Teoria e Crítica

Artigos Relacionados


- Pós-modernismo, A Lógica Cultural Do Capitalismo Tarcio
- Questões De Arte: O Belo, A Percepção Estética E O Fazer Artístico
- Obra
- A Obra De Arte Na época Das Suas Técnicas De Reprodução
- Artesanato E Indústria No Cenário Amazônico: Questões éticas, Estéticas E Simbólicas.
- Importação De Esculturas De Italia Nos Secs.xv E Xvi
- Perspectivas Para Reflexão Em Torno Do Projeto Político-pedagógico. In: Escola: Espaço Do Projeto Po

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online