PUBLICIDADE

Página Principal : Teoria e Crítica


Nobel, Nobéis



< span>Fernando Monteiro é escritor e jornalista. Como escritor, lançou O Grau Graumann (editora Globo, 2002), que tem o mérito de abordar e questionar ? e nisso é original ? a literatura de ficção no Brasil, desde seus primórdios, pondo-se também como referencial.

Em ?Nobel, Nobéis? (In: Continente Multicultural. Recife: CEPE, setembro, 2002. p. 28-31), em que pese suas contribuições para a temática da premiação e das instâncias de autorização, quer me parecer que há certo tom de ressentimento. Um momento em que se pode exemplificar esse ressentimento, Fernando Monteiro afirma que, em 1998, quando a decisão ?política? teria sido talvez dar o prêmio Nobel pela primeira vez à língua portuguesa, foi surpreendente que preterissem a obra de um criador de mundos, do tipo popular de Jorge Amado, em favor do ?mal-humorado? José Saramago. É uma coragem de valorar que só os que têm experiência no campo podem ousar ter. 



Outra forte crítica corajosa que faz à Academia Sueca, responsável pelo prêmio Nobel, é nos seguintes termos: ?desagradável foi a surpresa de 1992, o prêmio ?politicamente correto? para a afro-americana Toni Morrison, abiscoitando a láurea com alguns romances medíocres que não sobreviverão ao tempo implacável com a falta de talento branco, preto, amarelo, não importa?.




Veja mais em: Teoria e Crítica

Artigos Relacionados


- Reflexoes E Satiras - O Nome Faz O Nobel
- Derek Walcott Defende A Cultura Mestiça
- Ladrões De Imagens Nos Encontros Culturais Em "omeros"
- Érico VerÍssimo: Biografia
- Multi-culti E Seus Descontentes
- Roteiristas Elegem Os Melhores Do Ano
- O Mito De Sísifo

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online