PUBLICIDADE

Página Principal : Estudos de Religião


As 95 Teses de Martinho Lutero (3ª PARTE)



(Continuação)

60: Afirmamos com boa razão, sem temeridade ou leviandade, que estes tesouros são as chaves da Igreja, que lhe foram dadas pelo merecimento de Cristo.

61: Evidente é que, para o perdão das penas e para a absolvição em determinados casos, o poder do papa por si só basta.

62: O verdadeiro tesouro da Igreja é o santíssimo evangelho da glória e da graça de Deus.

63: Este tesouro, porém, é muito desprezado e odiado, porquanto faz com que os primeiros sejam os últimos.

64: Enquanto isso o tesouro das indulgências é notoriamente o mais apreciado, porque faz com que os últimos sejam os primeiros.

65: Por essa razão os tesouros evangélicos foram outrora as redes com que se apanhavam os ricos e abastados.

66: Os tesouros das indulgências, porém, são as redes com que hoje se apanham as riquezas dos homens.

67: As indulgências, apregoadas pelos seus vendedores como a mais sublime graça, decerto assim são consideradas porque lhes trazem grandes proventos.

68: Nem por isso semelhante indulgência é a mais ínfima graça, comparada com a graça de Deus e a piedade da cruz.

69: Os bispos e os sacerdotes são obrigados a receber os comissários das indulgências apostólicas com toda reverência.

70: Entretanto tem muito maior dever de conservar abertos os olhos e ouvidos, para que estes comissários, em vez de cumprirem as ordens recebidas do papa, não apregoem os seus próprios sonhos.

71: Quem levanta a sua voz contra a verdade das indulgências papais é excomungado e maldito.

72: Aquele, porém, que se insurgir contra as palavras insolentes e arrogantes dos apregoadores de indulgências, seja abençoado.

73: Da mesma maneira em que o papa usa de justiça ao fulminar com a excomunhão aos que em prejuízo do comércio de indulgências procedem astuciosamente.

74: Muito mais deseja atingir com o desfavor e a excomunhão àqueles que, sob pretexto de indulgências, prejudicam a santa caridade e a verdade pela sua maneira de agirem.

75: Considerar a indulgência do papa tão poderosa, a ponto de absolver alguém dos pecados, mesmo que (coisa impossível de se expressar) tivesse deflorado a mãe de Deus, significa ser demente.

76: Bem ao contrário afirmamos que a indulgência do papa nem mesmo pode anular o menor pecado venial no que diz respeito a culpa que representa.

77: Afirmar que nem mesmo São Pedro, se no momento fosse papa, poderia dispensar maior indulgência, constitui insulto contra São Pedro e o papa.

78: Dizemos, ao contrário, que o atual papa, e todos os que o sucederam, é detentor de muito maior indulgência, isto é, o evangelho, dom de curar, etc., de acordo com o que diz 1 Corinto 12.6-9.

79: Alegar ter a cruz de indulgências, erguida e adornada com as armas do papa, tanto valor como a própria cruz de Cristo é blasfêmia.

(Continua na ÚLTIMA PARTE)


Veja mais em: Estudos de Religião

Artigos Relacionados


- As 95 Teses De Martinho Lutero (Última Parte)
- 32 Maneiras De Se Escrever A Palavra Deus
- Limbo
- Naturistas Europeus Viajarão Nus Para Congresso No Brasil
- Figuras De Estilo - Recursos Estilísticos (parte 1, De A A G)
- A Queda Da Bastilha
- Ouro De Aluvião

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online