PUBLICIDADE

Página Principal : Estudos de Religião


Dez Pragas



A primeira praga lançada sobre o Egipto atingiu o Nilo. As águas do grande rio, que fertilizavam os campos com as suas cheias, transformaram-se em sangue. O Faraó não cedeu. Depois, de onde houvesse água, saltaram milhões de rãs que se espalharam por todo o lado, arruinando as culturas. O Faraó, assustou-se e prometeu deixar os Hebreus partir, mas mal as rãs desapareceram, voltou atrás com a sua palavra.
Seguiram-se então enxames de mosquitos
e depois de moscas
o que constituiu uma tremenda praga para o gado.
A sexta praga espalhou-se entre os homens, pois atormentados pelos insectos e a morrer de fome, os Egípcios ficaram doentes, com chagas e furúnculos
.
Aparece a sétima praga, a do granizo
, que destruiu os campos e as culturas, poupando apenas Gosen, a terra habitada pela tribo de Israel.
Os enxames de gafanhotos
que escureceram o céu e invadiram o país, devorando toda a erva que ainda restava, constituíram a oitava praga.
O Faraó continuou sem ceder.
No Egipto o Sol apagou-se de repente e durante 3 dias, as trevas
, a nona praga, escureceram todas as coisas.
O Faraó continuou sem ceder, e a opor-se a que Moisés partisse com o seu povo.
Então Deus, cansado da teimosia do Faraó, anunciou a Décima Praga, a pior de todas.
Todos os filhos primogénitos das famílias egípcias morreriam e, para permitir que os anjos exterminadores pudessem cumprir a sua terrível missão e distinguir as casas dos Hebreus das casas dos Egípcios, Moisés, mandou a cada israelita matar um cordeiro e marcar a porta da própria casa com o sangue deste.
Á meia-noite do dia seguinte, os primogénitos Hebreus foram salvos, mas todos os Egípcios choravam.
O Faraó cedeu então, e chamou Moisés e o seu irmão Araão, e comunicou-lhe que os deixava livres, a eles e ao seu povo.
Depois de 430 anos de cativeiro, o povo israelita partiu para a Terra Prometida, levando consigo tudo o que podia transportar.
Não conhecendo os caminhos do Deserto, o Senhor guiava-os, de dia com o aspecto de uma nuvem e de noite de uma coluna de fogo.
Arrependido de ter deixado fugir os Hebreu por lhe fazerem falta como escravos, o Faraó, decidiu obrigá-los a regressar. Assim, no seu carro de batalha e seguido por seiscentos carros e pelos melhores guerreiros, lançou-se na perseguição aos Hebreus.
Ao encontrar o rasto do povo em fuga e percebendo que se dirigiam para o Mar Vermelho, pensou que estavam encurralados entre o deserto e o mar e que não lhe poderiam fugir.


Veja mais em: Estudos de Religião

Artigos Relacionados


- As Pragas Do Egito ? Um Desastre Ecológico No Mundo Antigo
- Bíblia - Os Sonhos Do Faraó
- Moisés
- Os Motivos Para A Escravidão Do Povo Hebreu No Egito Antigo
- Palestina Ou Israel?
- Antiguidade Oriental(egito) Antigo Império
- A Sociedade Egípcia

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online