PUBLICIDADE

Página Principal : Estudos de Religião


Judeus a imigração



1 4 9 2 A emigração judaica Em 31 de março de 1492 promulgou-se em Granada o decreto da expulsão dos judeus da Espanha. O cronista Andrés Bernaldez esclarece que, diferente da emigração muçulmana desejada e sabendo para onde ir a emigração judaica havia sido imposta e deveria ser realizada em quatro meses a partir do edital da ?expulsão?. O decreto apanhou-os desprevenidos e sem saber para onde ir. A questão imediata consistiu em vender os bens que não podiam ser levados e em liquidar as contas com os devedores e os credores. Os reis católicos contrataram pessoal extra para vigiar os bairros judaicos. Os navios requisitados para a saída dos judeus eram, na maioria das vezes, naus ou carracas de dimensões variáveis. O clima era de efervescência . nenhuma região da Espanha escapou. Alguns judeus aragoneses preferiram ir para o reino de Navarra, ainda independente em que a expulsão não era aplicada. Alguns tentaram refugiar-se em Portugal, mas em 1497 foram obrigados à conversão. Alguns foram deportados para as Ilhas do Atlântico. Alguns preferiram voltar à Espanha e, recebiam imediatamente o batismo cristão. A costa do Marrocos foi o destino de muitos. Também lá, em Fez, em meados de 1493 houve um violento incêndio no acampamento judaico. Num primeiro momento os lugares mais acolhedores foram Ferrara e Istambul. Muitos permaneceram na Espanha por não terem tido coragem de partir. Alguns autores calculam as partidas entre 200.000 e as permanências em 100.000. Intelectuais judeus do século XII chegaram a afirmar que seus ancestrais tinham estado em território Sefarad desde a tomada de Jerusalém por Nabucodonosor, em 587 a.C. Os judeus, em território do islamismo ficaram na condição de dhimini, portando um sinal distintivo e pagando imposto particular. Em Castela, no ano de 1474 havia 216 comunidades judaicas . Muitos nobres e príncipes tinham por costume médicos judeus. Nem sempre a convivência foi amistosa e tolerante. Suas residências foram pilhadas e incendiadas em diversas épocas e pogrom ocorriam periodicamente. O dominicano Tomás de Torquemada tornou-se inquisidor geral de Castela e Aragão com o objetivo de extirpar a heresia judaica. Os delitos enumerados eram: ter trocado a roupa de cama aos sábados, ter acendido mais velas nas sexta-feiras do que nos outros dias, ter observado a Páscoa judaica, ter recitado preces judaicas e não ter comido carne de porco,etc. A Inquisição em 16 de Novembro de 1491 no caso do ?Menino mártir?, supostamente assassinado por judeus, queimou vivos 16 acusados. O escândalo fora integralmente montado para atiçar o antijudaismo. A acusação não dispusera a mínima prova. Alguns notáveis preferiram se converter. Outros rabinos encorajavam os retirantes moribundos pelas estradas fazendo todos cantarem e mandando tocar tambores para trazer alegria. Tupi.


Veja mais em: Estudos de Religião

Artigos Relacionados


- Inquisição E Cristãos-novos
- O Que Estava Por Trás Da Inquisição?
- A Formação Do Reino De Portugal E Espanha
- Pilares Da Fé - Judaísmo
- Anti-semitismo
- A Inquisição - Dicionário De História De Portugal Vol Iii
- Biblia ? A Tradução

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online