PUBLICIDADE

Página Principal : Estudos de Religião


Congado (folclore brasileiro 1)



CONGADO

Na raia cultural dos folguedos, o CONGADO é a maior ocorrência folclórica em Minas.

A festa é de devoção, um ritual sagrado, embora o profano a ela se associe. Entra-se no Ciclo do Rosário no princípio de agosto, mas comemora-se 07 de outubro o dia da padroeira. Abrange, pois, três meses seguidos. Ainda que s frequentes, registram-se manifestações fora desse trimestre, como se veem Serro - final de junho - e em Conceição do Mato Dentro - começo de janeiro para citar só dois exemplos.

Nesse evento, consideram-se quatro partes:

1) Reinado, que se compõe de rei e rainha congos, princesa Isabel, juízes, juízas, dignitários e mucamas, entre outros. De sua constituição devem participar os membros de crença. O papel do reinado é unir as diferentes guardas em um mesmo sentimento de fé em Nossa Senhora do Rosário e manter coesos os - s de cor. Sua origem se explica principalmente com a fixação de lembranças época faustosa da rainha Ginga de Angola e de Chico Rei, o lendário animador de Vila Rica. O registro mais antigo da ocorrência em Minas pertence a André João Antonil, que aqui esteve de 1705 a 1706. Em sua obra, publicada em 1711, notícia dessas festas.

2) Embaixadas, que se traduzem em homenagem ou em destemor e valentia. E parte dramática, representada, e inclui a rezinga ou luta de espada entre embaixadores.

, 3) Guardas, que são em número de sete, menos o candombe. Cada uma destas possui vestuário próprio e autonomia - é uma unidade rítmica e coreográfica. Segundo o lugar, em vez de guarda, que é a designação mais comum, chamam-lhe a corte (ô), banda, terno, batalhão.

A guarda não terá menos de doze de varsais. Há-as com trinta, quarenta ou mais.

Varsal é cada um dos figurantes não graduados de qualquer guarda de Nossa Senhora do Rosário A palavra, talvez, seja modificação prosódica de vassalo Curioso: em Alencar, Pará, ela assume a forma valsar.

Cada guarda tem função específica no Congado, bem definida.

4) Todos os figurantes, quer sejam membros do reinado, das embaixadas ou das guardas, pertencem à Irmandade de Nossa Senhora do Rosário, instituição religiosa que se fundou em Minas Gerais desde os albores do século XVIII, inspirada nas Corporações de Ofício da Idade. Média.

Referência:

MARTINS, Saul. Congado: Família de sete irmãos. Belo Horizonte,SESC, 1988. p.15. . .

CONGADO

Na raia cultural dos folguedos, o congado é a maior ocorrência folclórica em Minas.

A festa é de devoção, um ritual sagrado, embora o profano a ela se associe. Entra-se no Ciclo do Rosário no princípio de agosto, mas comemora-se 07 de outubro o dia da padroeira. Abrange, pois, três meses seguidos. Ainda que s frequentes, registram-se manifestações fora desse trimestre, como se veem Serro - final de junho - e em Conceição do Mato Dentro - começo de janeiro para citar só dois exemplos.

Nesse evento, consideram-se quatro partes:

1) Reinado, que se compõe de rei e rainha congos, princesa Isabel, juízes, juízas, dignitários e mucamas, entre outros. De sua constituição devem participar os membros de crença. O papel do reinado é unir as diferentes guardas em um mesmo sentimento de fé em Nossa Senhora do Rosário e manter coesos os - s de cor. Sua origem se explica principalmente com a fixação de lembranças época faustosa da rainha Ginga de Angola e de Chico Rei, o lendário animador de Vila Rica. O registro mais antigo da ocorrência em Minas pertence a André João Antonil, que aqui esteve de 1705 a 1706. Em sua obra, publicada em 1711, notícia dessas festas.

2) Embaixadas, que se traduzem em homenagem ou em destemor e valentia. E parte dramática, representada, e inclui a rezinga ou luta de espada entre embaixadores.

, 3) Guardas, que são em número de sete, menos o candombe. Cada uma destas possui vestuário próprio e autonomia - é uma unidade rítmica e coreográfica.  Segundo o lugar, em vez de guarda, que é a designação mais comum, chamam-lhe a corte (ô), banda, terno, batalhão.

A guarda não terá menos de doze de varsais. Há-as com trinta, quarenta ou mais.

Varsal é cada um dos figurantes não graduados de qualquer guarda de Nossa Senhora do Rosário. A palavra, talvez, seja modificação prosódica de vassalo Curioso: em Alencar, Pará, ela assume a forma valsar.

Cada guarda tem função específica no Congado, bem definida.

4) Todos os figurantes, quer sejam membros do reinado, das embaixadas ou das guardas, pertencem à Irmandade de Nossa Senhora do Rosário, instituição religiosa que se fundou em Minas Gerais desde os albores do século XVIII, inspirada nas Corporações de Ofício da Idade. Média.

Referência:

MARTINS, Saul. Congado: Família de sete irmãos. Belo Horizonte,SESC, 1988. p.15. . .


Veja mais em: Estudos de Religião

Artigos Relacionados


- Candombe (folclore Brasileiro 2)
- Marujo (folclore Brasileiro 6)
- Vilão (folclore Brasileiro 9)
- Caboclinho (folclore Brasileiro 7)
- Moçambique (folclore Brasileiro 4)
- Cavaleiro De SÃo Jorge (folclore Brasileiro 8)
- Catopê (folclore Brasileiro 5)

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online