PUBLICIDADE

Página Principal : Estudos de Religião


Caboclinho (folclore brasileiro 7)



Caboclinho



Figura o índio brasileiro, associado à Confraria de Nossa Senhora do Rosário. Apresenta-se engalanado, aparatoso, exuberante, com ricas plumas coloridas e profusão de enfeites. A mão, conduz pequeno arco já munido com a respectiva flecha. Arremessada, não se livra, devido a um ressalto que a mantém cativa. Mas, por entrechoque, marca-se o ritmo, durante a exibição. Além de compor o cenário aborígine, tal conjunto de arco e flecha chama a atenção, por constituir-se objeto artístico, de ótimo visual, feito com esmero e técnica artesanais.


A guarda é dirigida pelo Cacique Morubixaba ou mestre de dança:


Sou cacique, caciquinho,


Sou senhor da mataria,


Quando seguro o meu arco


Tenho muita fidaguia.


Serviu de modelo, neste Opúsculo, o caboclinho de Itaúna, embora não se possa ignorar as variantes do Serro, Ferros, São Gotardo, Diamantina e Sapucaia de Guanhães, para citar alguns exemplos, todos os quais são reveladores de esplêndida beleza plástica e rítmica.


A cor das penas, de ordinário, é o sinal distintivo.


De todas as guardas da Confraria é a que aparece com o maior número de designações. E bem de ver: caboclo, caboclinho, tapuio, penacho, botocudo, caiapó, tupiniquim.


O rosário da Irmandade é pendurado ao pescoço, junto com colares e miçangas.


O papel do caboclinho é de fantasia, arte, exibição. Geralmente, encerra seu número com a dança do pau de fitas.



Referência:


MARTINS, Saul. Congado: Família de sete irmãos. Belo Horizonte, SESC, 1988. p.39






Veja mais em: Estudos de Religião

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online