PUBLICIDADE

Página Principal : Estudos de Religião


O renascimento da Wicca



Mas Murray...logo desvendou o diabo e descobriu em seu lugar um Deus com chifres de um culto à fertilidade, um Deus pagão que na época da inquisição foi considerado herético, transformado em uma incorporação do diabo. Murray estava convencida depois dos seus estudos profundos sobre esses registros de que esse Deus possuía um equivalente feminino, tratava-se de uma divindade, a caçadora medieval das épocas clássicas que os gregos chamavam de Ártemis e os romanos de Diana. Murray então...concluiu que as feiticeiras condenadas tinham Diana como uma líder espiritual e por isso a reverenciavam, os vestígios dessa fé poderiam ser rastreados no passado a até cerca de 25 mil anos, época em que viveu uma raça aborígine composta de anões, cuja existência permaneceu registrada pelos conquistadores que invadiram aquelas terras apenas nas lendas sobre elfos e fadas. De acordo com ela, seria uma ?religião alegre?, repleta de festejos, danças e principalmente abandono sexual, o que mais tarde seria incompreensível para os sombrios inquisidores, cujo único propósito foi destruí-la até as mais tenras raízes.

 Margaret, pesquisadora ativa até sua morte, aos 100 anos.Finalmente em 1921, Murray publicou o primeiro (O Culto à Feiticeira na Europa Ocidental) dos três livros com as suas conclusões favorecia certa legitimidade à religião Wicca. Apesar dos trabalhos de Murray não terem tanto prestígio nos círculos acadêmicos, recentes estudos arqueológicos induziram alguns historiadores a fazer ao menos uma releitura mais criteriosa de algumas de suas teorias mais polêmicas; Margaret Murray conseguiu através de uma reavaliação favorável da feitiçaria, abrir uma porta para um fluxo de interesse pelo culto a Diana.

Em 1899, Charles Leland, havia publicado ?Aradia?, obra que segundo ele, era o evangelho de ?La Vecchia Religione? (A Velha Religião), uma expressão que desde então passou a fazer parte do saber ?Wicca?. O livro relata a lenda de Diana, Rainha da Feiticeiras, cujo encontro com o deus-sol Lúcifer resultara numa filha chamada ?Aradia?, esta seria ?la prima strega? (a primeira bruxa), a que revelara os segredos da feitiçaria para a humanidade.

Considerada uma fonte duvidosa, Aradia contudo...terminou servindo de inspiração para inúmeros ritos praticados por feiticeiros. Duramente criticado, o livro Aradia com sua ênfase no culto à Deusa tornou-se muito popular nas assembléias feministas.

O livro de Robert Graves, publicado pela primeira vez em 1948, ?A Deusa Branca? que revela a existência de um culto ancestral centrado na figura de uma matriarcal deusa lunar. De acordo com o autor, essa deusa seria a única salvação para civilização ocidental. Robert Graves expressou profundas reservas com relação à bruxaria, mas o autor chama à atenção a longevidade e a força da religião Wicca e também faz críticas ao que ele considera como uma ênfase em jogos e brincadeiras. Na verdade, o ideal para a feitiçaria, escreve Grave, seria que ?surgisse um místico de grande força para revestir de seriedade essa prática, recuperando sua busca original de sabedoria?.

A referência de Graves era uma irônica alfinetada em Gerald Brosseau Gardner, um senhor inglês peculiar e carismático, que exerceria profunda, embora frívola, do ponto de vista de Robert Graves, influência no ressurgimento do interesse pela feitiçaria.

Gardner gerou muita polêmica ao afirmar que, após a perseguição medieval, a bruxaria tinha sobrevivido através dos séculos, secretamente, à medida que seu saber canônico e seus rituais eram transmitidos de uma geração para outra de feiticeiros. Segundo Gardner, sua atração pelo ocultismo havia feito com que se encontrasse com uma herdeira da antiga tradição, ?a Velha Dorothy Clutterbuck?, que seria alta sacerdotisa de uma seita sobrevivente. Logo após esse encontro, Gardner foi iniciado na prática, embora mais tarde tenha afirmado, no trecho mais improvável de uma história inconsciente, que desconhecia as intenções da velha Dorothy até chegar ao meio da cerimônia iniciática, ouvir a palavra ?Wicca? e perceber ?que a bruxa que eu pensei que morrera queimada há centenas de anos ainda vivia?.

Gerald Gardner assumia a tarefa de fazer uma revisão da feitiçaria, foi uma espécie de catecismo da Wicca, ressuscitado por Gardner. Assim qucompletou o trabalho, um Livro das Sombras.

Esse volume transformou-se em evangelho e liturgia da tradição gardneriana da Wicca. Era uma ?pacífica e feliz religião da natureza?, nas palavras de Margot Adler em ?Atraindo a Lua?.

As bruxas reuniam-se em assembléias, conduzidas por sacerdotisas. Adoravam duas divindades, em especial, o Deus das florestas e de tudo que elas encerram, e a Grande Deusa tríplice da fertilidade e do renascimento. Nuas, as feiticeiras formavam um círculo e produziam energia com seus corpos através da dança, do canto e de técnicas de meditação. Concentravam-se basicamente na Deusa; celebravam os oito festivais pagãos da Europa, buscando entrar em sintonia com a natureza.

 Ao se desnudarem para adorar a Deusa, as feiticeiras não só se despiam de seus trajes habituais, como também de sua vida cotidiana.

A influência de Gerald Gardner no moderno processo de renascimento da Wicca é indiscutível, assim como seu papel de pai espiritual dessa tradição específica de feitiçaria que hoje carrega seu nome, seus seguidores foram capazes de captar em seu trabalho uma fonte para uma prática espiritual que lhes traz satisfação.



Veja mais em: Estudos de Religião

Artigos Relacionados


- A Influencia De Crowley
- Deuses Greco - Romanos
- Bruxas Por Trás Da Caça
- Eram As Deusas Soberanas?
- O Culto à Virgem Maria E A Cultura De Submissão Da Mulher
- Os Deuses Gregos _ A ReligiÃo Na GrÉcia Antiga..
- Os Principais Deuses Egípcios

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online