PUBLICIDADE

Página Principal : Estudos de Religião


O Culto à Virgem Maria e a Cultura de Submissão da Mulher



Este culto é uma das ocorrências mais surpreendentes na história primitiva da Igreja Cristã. Não houve nenhuma justificação para este facto nos Evangelhos. A figura de Maria é bastante obscura. Ela e a restante família se opuseram totalmente à missão de Jesus, chegando ao ponto de considerá-lo louco (Mc 3,21). Jesus separou-se totalmente de sua família e mantinha una muito tensa relação com sua mãe: " Mulher, que tenho a ver contigo?"(Jo 2,4). Apesar disso, a crescente aceitação de Jesus como o Filho de Deus, criou uma tendência inclinada a conceder uma posição especial a sua mãe. Apenas Mateus e Lucas tinham feito uma vaga menção da possível virgindade de Maria. Nesta escassa informação se baseou o posterior culto à Mãe Virginal de Deus. A veneração da Mãe de Deus recebeu um forte impulso quando a partir de 312 a. C.(acto de tolerância por parte de Constantino) a Igreja Cristã se converteu, pouco a pouco, em Igreja Imperial, com a consequente conversão das massas pagãs do Império. Esta gente acostumada a milénios de culto à Grande Mãe, a Deusa, a Virgem Divina, etc. não podia aceitar sem mais o patriarcalismo Judaico integrista adoptado pelo Cristianismo primitivo. Não é surpreendente que foi no Egipto onde se originou a adoração de Maria sob o título de Teotokos (prenhe de Deus). Mais tarde, no concílio de Éfeso (431 A.D.) esta designação egípcia foi convertida em dogma da Igreja. Como vemos foi no Egipto, onde até à era Cristã, Ísis (com o filho Horus nos braços) fora adorada sobre todas as coisas, onde se cristalizou o culto à Virgem Maria(com o menino Jesus nos braços). Ou melhor dito, onde a Deusa Ísis se converteu na Virgem Maria. Parece então, que o destino de Ísis foi converter o Cristianismo primitivo, descendente direto do Judaísmo monoteísta patriarcal, numa religião sincrética.

_*_

Até ao século XI a posição da mulher cristã melhorou muito em relação ao que tinha sido nas sociedades puramente patriarcais anteriores. A mulher tinha direito à propriedade, a explorar um comércio e, por tanto, tinha uma certa independência. Esta atitude tão liberal da Igreja foi, como se demonstrou depois, puramente estratégica. Durante estes séculos a Igreja estava em plena expansão, convertendo, uma depois da outra, as tribos e povos pagãos. Como esta conversão sempre começou com as mulheres, era muito conveniente que estas se dessem conta de que a posição da mulher no Cristianismo era muito superior ao que estavam habituadas. Não somente isto, mas até ofereceram à mulher conversa a oportunidade de libertar-se de matrimónios inconvenientes já que a nova religião somente considerava válidos os matrimónios cristãos. o Cristianismo sempre foi propenso a anular os matrimónios juntos por outros Deuses (sic). Em finais do século XI todas as tribos pagãs Europeias tinham sido convertidas à fé, e a posição da mulher mudou drasticamente. Não recuperou a sua semi-liberdade de séculos anteriores até ao bem entrado século XX. A exterminação de qualquer suposta heresia, a Inquisição, a caça às bruxas (e até o mesmo conceito de bruxaria) foram instrumentos para eliminar qualquer vestígio "matriarcal" da face da terra cristã. Não puderam eliminar a veneração à Virgem, mas a converteram num símbolo eficaz de consolação para que as mulheres submissamente aceitassem o seu destino.



Veja mais em: Estudos de Religião

Artigos Relacionados


- Theotokos
- Oficialização Do Cristianismo Romano
- Cristianismo X XintoÍsmo
- O Nascimento De Jesus Cristo
- Curiosidades Sobre A Santa Igreja CatÓlica
- Leitura E Resumo Do Artigo Do Dicionário De Mariologia, Fiores,
- Intolerância Religiosa Na Igreja

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online