PUBLICIDADE

Página Principal : Filosofia


O ANTICRISTO



Friedrich wilhelm Nietzsche, que nasceu em Röcken, na Alemanha, em 15 de outubro de 1844, publicou no ano de 1888 a obra O Anticristo ? Ensaio de crítica do Cristianismo . Esse livro é como o grito de alguém cansado com a realidade e que esbraveja em uma tentativa de que tudo mude.
A obra, certamente não é bem vista pelos cristãos, nem deveria, pois é a essas pessoas que Nietzsche dedica toda a sua ácida crítica, apontando os cristãos como aqueles que deturparam a idéia de virtude, como ela era entendida pelos romanos. O cristianismo é o culpado pela degenerescência fisiológica do homem, visto que a moral observada na prédiga dos asseclas cristãos é repressora dos instintos e, com isso, sufoca a vontade de poder, deixando o ser humano fraco. Nessa obra, Nietzsche afirma que algo mau à sociedade é tudo aquilo que descende da fraqueza, assim, o cristianismo é visto como um mal a toda humanidade.
Em O Anticristo , o autor revela mais claramente sua relação com tudo que é venerado em nome de Deus, considerando como lastimável, nociva e absurda toda essa veneração, em uma negação de Deus como Deus.O apóstolo Paulo é, segundo Nietzsche, o maior propagador dessa idéia de um Deus que confunde a sabedoria do mundo, apontando-o como motivado pelo sentimento de vingança e ressentimento, sendo que o cristianismo só vê amor nos motivos de Paulo.
O pecado, como foi assimilado pelos cristãos, é o que torna problemática a elevação da ciência, das culturas e do homem. Toda idéia de pecado, segundo o autor, é o que garante o domínio dos sacerdotes sobre os fiéis, ou seja, o que impossibilita a emancipação do homem. Nietzsche é contra o que considera como antinatural, assim, a repressão dos instintos é considerada como algo contra a natureza humana; sendo o pecado nada mais do que uma forma de reprimir o homem, logo, esse pecado é também compreendido como um mal.
O Anticristo é uma prova de amor à realidade do agora, em uma negação de um além como pregam os religiosos. Onde os cristãos vêem um mundo ideal e que está em um além, Nietzsche vê uma mentira. Porque é nessa realidade que o homem deve buscar uma eterna superação de si, em busca do super-homem (Übermensh). Nessa obra, o além é visto como uma vontade de negar a realidade, e o discurso da igualdade das almas é apresentado como uma hipocrisia.
Em uma última crítica, sem medir as palavras, o autor fecha a obra, lançando as Leis Contra o Cristianismo , formadas por sete artigos que ofendem a qualquer cristão. Nessas leis, Nietzsche repudia os sacerdotes, a castidade, a antinatureza, a história sagrada.
O livro é composto por toda uma crítica ao cristianismo e, em alguns momentos, também a Kant, com a utilização de palavras sarcásticas. Como primeiro livro de alguém que desejar conhecer Nietzsche, não é muito recomendado, posto que pelas palavras fortes que o autor usa, o leitor iniciante pode ter uma repulsa a essa filosofia antes de conhecê-la verdadeiramente.


Veja mais em: Filosofia

Artigos Relacionados


- O Anticristo
- O Anticristo
- Humano, Demasiado Humano
- A Genealogia Da Moral
- A Filosofia De Nietzsche
- Resumo: A Genealogia Da Moral, De Nietzsche
- Nietzsche. Das Forças Cósmicas Aos Valores Humanos.

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online