PUBLICIDADE

Página Principal : Filosofia


Carta sobre a Tolerância (I Parte)



< Tolerância VS Intolerância>

A
Tolerância é o principal traço característico da verdadeira Igreja pois,
conforme ao Evangelho e à Razão, instaura a cristandade, benevolência, caridade
e mansidão, demonstrando assim a grande preocupação pelo essencial ? a fé.

A
intolerância, por outro lado, demonstra preocupação pelo acessório,
nomeadamente pelas cerimónias e opiniões. Desta forma impõe-se como uma luta
pelo poder eclesiástico, pelo domínio e pela pompa exterior. Acima de tudo,
impõe-se como incoerência a vários níveis, uma vez que procura impor uma
santidade que não pratica e aplica meios desumanos a fins ditos humanitários.

A
origem da intolerância é infundamentada, uma vez que a imposição da religião
não é uma missão incutida por Deus. Para além disso, a religião (cristã)
poderia unicamente ser imposta através de métodos cristãos, como o Evangelho da
paz e a persuasão. O resultado de tudo isto poderia então ser uma verdadeira
Igreja ? e não a numerosa assembleia tão comummente procurada. Acima de tudo, a
salvação deve ser procurada individualmente e a intolerância reservada às
imoralidades e não às seitas.

Adivinha-se
desta forma um uso inadequado do nome de Deus e da religião para propósitos
doutros domínios, nomeadamente políticos ? só que um espírito pouco cristão não
deve ser assim camuflado, da mesma forma que não se pode buscar na religião a
impunidade para a libertinagem. Por outro lado, a própria interpretação do
Evangelho deve ser controlada face ao verdadeiro legado cristão.



As
razões para estas imoralidades têm origem na identificação Estado-Igreja, duas
instituições bem diferentes na sua origem, objecto, fins e limites.

O
Estado é uma sociedade de homens que visa propósitos temporais (interesses
civis e bens terrenos). A sua regulamentação baseia-se em leis gerais,
abstractas e coercivas (imparciais, iguais e apoiadas em sanções), na justiça e
na equidade pública.

A
força coerciva do Magistrado apoia-se nos súbditos e suporta o Estado que a
concede e limita (Estado de Direito).

Contudo,
o âmbito apenas civil do Estado e o bem público enquanto objectivo e limite da
actuação do Magistrado, afastam-no de outros assuntos, nomeadamente da salvação
das almas ? tal acontece pois o cuidado das almas não é uma missão divina,
social, possível ou plausível para o Estado: as leis coercivas não se aplicam
ao domínio do espiritual, perdendo o Magistrado nele o poder de obrigar mais do
que qualquer homem cristão (a imperatividade dá lugar à persuasão); a fé
imposta seria sempre uma fé cega e, caso todos obedecessem aos seus dirigentes,
a salvação das almas seria geográfica (consoante o Magistrado tivesse ou não
encontrado o certo caminho os súbditos seriam ou não salvos).

O
cuidado das almas cabe assim exclusivamente à Religião, à Igreja.

A
Igreja é uma sociedade livre e voluntária (nenhum homem nasce vinculado a uma
Igreja) criada com o propósito de prestar o culto do agrado de Deus e procurar
a salvação das almas.

Como
sociedade que é, possui um conjunto de regras (local e hora de reunião;
admissão e exclusão de membros?) que lhe garantem a funcionalidade. Por outro
lado, impõe tambémas regras que garantem a conduta merecedora de vida eterna,
sendo que essa imposição tem a força da exortação, advertência, conselho ou, em
caso de desrespeito, da expulsão.

Desta
forma, a força da Igreja é bem diversa da força civil que age sobre os bens
terrenos.

Contrariamente
ao senso comum, a Igreja não é caracterizada pela hierarquia, esta é até
desnecessária uma vez que não é contemplada pelos textos sagrados, impondo só a
força da opinião.


Veja mais em: Filosofia

Artigos Relacionados


- Carta Sobre A Tolerância (iii Parte)
- Carta Sobre A Tolerância (ii Parte)
- Carta Sobre A Tolerância - Parte Ii
- Carta Sobre A Tolerância (iv Parte)
- As Origens Do Cristianismo
- Curiosidades Sobre A Santa Igreja CatÓlica
- A Mulher E A Religião

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online