PUBLICIDADE

Página Principal : Filosofia


O Banquete - uma crítica



O BANQUETE

O nosso pequeno grupo se questionou durante todo o tempo, como nós iniciantes em filosofia poderíamos criticar um diálogo de um filósofo tão admirado e amplamente estudado como Platão. Partindo de nossa ignorância ousamos pontuar alguns itens observados nesse diálogo.

A insistência de Platão narrar sempre em personagem nos referência como alguém que não quer que suas idéias sejam diretas, ou talvez, identificadas como suas, mostrando uma incoerência de um filósofo. Mesmo quando ele próprio fala sobre o tema proposto, ao contrário, dos demais convidados esse cria um personagem que fala por ele.

Seu diálogo ?O Banquete? é fragmentado, Platão talvez tivesse também uma posição fragmentada sobre o tema e não querendo admiti-lo o faz como se várias pessoas pensassem de diferentes formas para uma única explicação. Pois, quando ele próprio discursa se posiciona em diferentes fases. Vimos uma relação entre esse dois itens o fragmento dos personagens e a síntese de Platão tendo o amor fragmentado através de uma forma gradual que é adquirida com o tempo e maturidade.

Acreditamos, que dentro da época vivida por Platão e um tema amplo e desconhecido, ele aborda nesse diálogo o amor em todos os ângulos, desde sua forma biológica, sob o ponto de vista de um médico até a forma cósmica de um filósofo. Passando a sua percepção do amor como o belo e desse para a beleza, ampliando a visão do amor, como uma estrutura de bem estar consigo, com o próximo e tudo que envolve o relacionamento cotidiano, seja a natureza, as instituições ou o desconhecido que caracteriza dentro de seus deuses e o universo. Sua exposição através de Diotima permite criar uma visão da elevação desse amor/belo, como uma escada em que seu primeiro degrau se relaciona ao encantamento ao físico belo e na medida em que se adquire o conhecimento do amor há o desprendimento do fator físico e a ascensão da escada ao cosmo se relacionando a sabedoria.

Em síntese, após discussão, concluímos que jamais havíamos lido algo de uma forma clara e bela abordando esse tema e mostrando que pode ser conseguido o amor embora para isso tenhamos que nos sacrificar em todos os sentidos de relacionamentos, sendo dentre eles o maior seria o relacionamento consigo, pois, para termos esse amor/belo antes de tudo temos de adquirir o conhecimento através da elevação de nossa parte imortal.



Veja mais em: Filosofia

Artigos Relacionados


- Fédon - Vida E Obra De Platão
- Jesus,exemplo De Amor Maior
- Algumas Aproximações Entre Descartes E Platão (1)
- A Atitude FilosÓfica E O MÉtodo Dialogal De PlatÃo
- Objetivo Da Filosofia
- A Busca Do Seu Verdadeiro Ser
- Corrupção X Amor

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online