PUBLICIDADE

Página Principal : Filosofia


Kant e o objetivo da "Crítica da Razão Pura" (Parte II)



Como já havíamos dito, a ?Crítica da Razão Pura? é uma avaliação das fontes e dos limites do conhecimento humano. Sendo assim, não é um ?exame da natureza das coisas?, mas simplesmente uma ?crítica da nossa própria razão, do nosso aparato cognitivo?.
Todavia para compreendermos melhor a Crítica, devemos saber de suas partes constituintes: a Estética Transcendental, a Lógica Transcendental ? divida entre Analítica Transcendental e Dialética Transcendental. Aqui, entretanto, trataremos da introdução à Lógica Transcendental.

Além da sensibilidade (âmbito da Estética), o ser humano possui ainda uma outra fonte de conhecimento: o intelecto (âmbito da Lógica). Na estética, os objetos nos são apresentados ou dados; na lógica eles são pensados.
Na Lógica, o objeto é julgado através dos conceitos que o intelecto produz. Todavia, para a devida compreensão desta introdução, é preciso esclarecer que os conceitos são noções que antecedem à experiência, são elementos (poderia se dizer predisposições) do pensamento.
São os objetos ? enquanto pensados ? que se regulam pelos conceitos do intelecto (noção de síntese): ?das coisas, nós só conhecemos a priori aquilo que nós mesmos nelas colocamos?. Deste modo, identificamos também o termo ?transcendental? ? sendo este o conhecimento que se relaciona com o nosso modo de conhecer os objetos.
A Lógica Transcendental é a ?ciência das regras puras? para pensarmos os objetos. Ou seja, procura estudar as condições de pensamento, buscando regras puras a priori e suas validades para os indivíduos em geral. Estas regras são para uma apreensão coerente dos objetos.
Com o intuito de designar os conceitos do entendimento puro, Kant explica que todo juízo pode ser considerado sob quatro pontos de vista: da quantidade, da qualidade, da relação e da modalidade. Para cada um desses pontos de vista, há a possibilidade de três espécies de juízos.
Portanto há doze conceitos fundamentais a priori
(ou puros) de conhecimento, ou simplesmente categorias do entendimento:
· Da quantidade ? tem-se as possibilidades de Unidade, Pluralidade e Totalidade.
· Da qualidade ? tem-se as possibilidades de Realidade, Negação e Limitação.
· Da relação ? tem-se as possibilidades de Substância (e acidente), Causa (e efeito) e Reciprocidade.
· Da modalidade ? tem-se as possibilidades de Possibilidade, Existência e Necessidade.
Já os conceitos a posteriori
(ou empíricos), são noções gerais que definem classes de objetos; tais como conceito de vertebrado, conceito de prazer e etc.

É de extrema importância a ?sintonia? entre as dimensões kantianas de Estética e Lógica Transcendental, para obter o conhecimento (embora limitado). O conhecimento só está pronto a partir do momento que, houver uma interação das intuições puras (Estética) com o entendimento (Lógica).
Conhecer é intuir o objeto, conhecer é julgar o objeto. O conhecimento é uma síntese do pensamento mais intuição. Nas palavras do próprio: ?conceitos sem intuições são vazios, intuições sem conceitos são cegas?.


Veja mais em: Filosofia

Artigos Relacionados


- Kant E O Objetivo Da "crítica Da Razão Pura"
- A Crítica Da Razão
- Filosofia
- Neurose, Segundo Kant
- JuÍzo TeleolÓgico De Kant
- O Pensamento Lógico Estrutura-se A Partir De Fenómenos
- A Noção De Illusio Na Obra De Pierre Bourdieu

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online