PUBLICIDADE

Página Principal : Filosofia


A rebelião das massas



O autor afirma que nossa época é, antropologicamente, dominada pelo homem-massa: criatura encolhida em sua própria cápsula vivencial. Este menospreza e detesta tudo o que não se lhe assemelha, ou seja, todos os homens que buscam a própria superação. O homem-massa é herdeiro de todas as consecuções da Tradição, mas, desdenha do passado, pois, toma a civilização como a um fato da vida, auto-suficiente e inexorável.
Assim, desconhece o que é a civilização, não faz idéia do que ela provém e nem do que se mantém. Ignora as noções mais elementares da Democracia, imaginando-a como um
regime plebiscitário
. O homem-massa quer fazer crer que é merecedor de todas as benesses, e, que
suas elucubrações e palpites
valem por verdade, a despeito de qualquer razão. Se imagina em condições de colher os frutos da civilização, ao mesmo tempo em que, dissolve seus elementos constitutivos e elimina suas condições objetivas de existência ? em suma, precipita a sociedade na barbárie do
pensamento teúrgico e dos laços tribais.

O homem-massa domina o trabalho contínuo e organizado, e assim, criou um estado poderoso e eficiente, capaz de assegurar a ordem e fazer valer a lei. Mas, este mesmo homem-massa periga em
se tornar escravo de sua própria criação
. O homem-massa simpatiza com o estado, em particular, com o caráter impessoal e anônimo do poder estatal ? daí, o estatismo. Quando o homem-massa se abandona a estatolatria, na verdade, está cultuando o seu próprio jeito de ser. Neste momento, o homem-massa transforma o próprio triunfo em derrota, visto que, o Estado plebiscitário é tão despótico quanto qualquer tirania. Investido da
outorga delegativa do consenso das massas
, o tirano popular passa a triturar toda e qualquer oposição, e fazer convergir a si todas as riquezas e potenciais da nação. O término de uma tal tirania
redunda no esmagamento da própria civilização
, que desprovida de seus próprios elementos constitutivos, começa a se desmantelar.

Apenas o homem contemporâneo consegue sustentar a civilização, pois, carrega dentro de si a síntese de todos os tempos, que pulsam sob seus pés, e, o fazem compreender como chegamos aqui e os perigos que podem por tudo a perder. E, o mais importante: ele sabe qual é a fonte da civilidade, e assim, como mantê-la viva e pujante.


Veja mais em: Filosofia

Artigos Relacionados


- A Queda Da Bastilha
- Sans-culottes
- O Homem E A Medida De Todas As Coisas
- Qual A Causa Do Que Acontece No Espaço E No Homem?
- 32 Maneiras De Se Escrever A Palavra Deus
- Roma Invicta
- Naturistas Europeus Viajarão Nus Para Congresso No Brasil

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online