PUBLICIDADE

Página Principal : Filosofia


O mestre ignorante - cinco lições sobre emancipação intelectual



O
livro O mestre ignorante, de Jacques
Rancière, fala sobre um professor francês, Joseph Jacotot, que se encontrou na
seguinte situação: tinha que lecionar Literatura para alunos holandeses que
ignoravam o francês, assim como ele ignorava o holandês. Com isso, J. Jacotot
aplicou um método diferente do tradicional, onde o professor emancipa seus alunos.

Antes
de se encontrar em tal situação, Jacotot acreditava que o mestre tinha como
tarefa transmitir seus conhecimentos aos alunos. Porém, diante desta nova
situação, ele introduziu um livro, Telêmaco,
que era algo comum entre eles, pois era uma edição bilíngüe (francês-holandês).
A partir deste livro, e com a ajuda de um intérprete, ele orientou seus alunos
a aprenderem a língua francesa lendo o livro com ajuda da tradução. Mais
adiante, ao pedir que eles escrevessem em francês o que compreenderam, Jacotot
teve uma surpresa: seus alunos se saíram muito bem. Assim, ele começou a
refletir: seria então desnecessária a explicação?

J.
Jacotot passou a acreditar que seria preciso mudar seu tradicional método de
ensinar. Através da explicação, o mestre transmite seus conhecimentos e
verifica se o aluno entendeu, o que, para Joseph Jacotot, passa a ser o
princípio do embrutecimento. E, em
contradição a esse princípio, ?surge? o princípio da Emancipação.

No
método emancipador pode-se ensinar qualquer coisa, mesmo sendo ignorante no
assunto. Mas, para isso, é necessário emancipar o aluno, ou seja, fazer com que
o aluno aprenda sozinho, usando apenas sua própria inteligência. E este seria o
Ensino Universal. Conseqüentemente, pode-se também aprender qualquer coisa. Já
no método embrutecedor, o da explicação, o mestre mantém-se distante do
aprendiz, pois transmite um conhecimento em partes e o aluno terá de esperar
para aprender mais no ano seguinte, deixando o professor num grau sempre
superior ao do aluno. Ou seja, o aluno sempre precisará de um outro mestre
explicador para continuar a aprender.

Em
O mestre ignorante, é forte a idéia
de que a vontade de aprender é o que leva o homem a aprender, ou seja, qualquer
um pode aprender aquilo que quiser. Neste método, não há ninguém mais inteligente
que outro, mas sim inteligências que não foram igualmente exercidas. Daí vem a
idéia de uma ? sociedade de emancipados?, onde todos saberiam que não há
desigualdade de inteligências e onde aquele que teria certa inferioridade só a
teria por não tem a ambição de querer saber mais.

Para instituir tal sociedade, os
discípulos de Jacotot deveriam anunciar a todos que se pode ensinar aquilo que
se ignora, principalmente aos pobres, pois são eles que sofrem maior
preconceito em relação à desigualdade das inteligências. Porém, o autor cita
que não é fácil a aceitação deste novo método observando o exemplo do próprio
Jacotot, que apenas tornou-se mestre ignorante quando se viu diante de uma
situação pra qual não encontrou outra solução.

Por fim, deveríamos entender que todos
têm inteligências iguais apesar de vivermos em uma sociedade tão desigual. E é
isto que Rancière julga simples, mas difícil de compreender. E de colocar em
prática!


Veja mais em: Filosofia

Artigos Relacionados


- Se Você Finge Que Ensina, Eu Finjo Que Aprendo
- Avaliação Mediadora: Uma Relação Dialógica Na Construção Do Conhecimento
- Paulo Freire O Mentor Da Educação Para A Consciência
- Leitura: Paradigmas De Uma Boa Alfabetização
- Um Olhar Sobre As Múltiplas Inteligências
- Técnicas De Avaliação Em Saula De Aula
- Inglês

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online