PUBLICIDADE

Página Principal : Filosofia


Eu




Em Descartes o ?eu? não é psicológico nem colectivo. O ?eu? é sim uma substância, clara e distinta, é uno. Idêntico a si mesmo e existe em si e por si mesmo. A natureza do ?eu? é pensar, pensamento (eu penso, logo existo). O ?eu? como substância é ideal. A ciência baseia-se em ideias, estas não são produzidas pelo real sensível mas tornam a realidade inteligível. Existe como substâncias claras artes da realidade sensível. Algumas dessas ideias não são inatas, inato no sentido de serem descobertas pela análise da razão, são produto da razão. A natureza global do eu cartesiano na fundamentação do saber é o ser claro e substancial, ora estas características pertencem à Matemática (a matemática é o fundamento da ciência). Ora a ciência construída pela matemática pode não se aplicar á realidade sensível e definir uma outra realidade, verdadeira porque clara, evidente e substancial é que os objectos da matemática não são sensíveis mas ideais, criados pela razão, são seres nacionais, substanciais. O conhecimento produzido com as substâncias é necessariamente verdadeiro, mas sem existência sensível.




Veja mais em: Filosofia

Artigos Relacionados


- Crítica Da Razão Pura
- O Pensamento: A Gnosiologia
- A Crítica Da Razão
- René Descartes: Dúvida Como Método E Certeza Como Busca
- Pesquisa Em Educação Matemática: Concepções E Perspectivas (cap.12)
- Social Constructivism And The Philosophy Of Science
- Terceira Meditação

 
Sobre o site: Quem Somos |  Contato |  Ajuda
Sites Parceiros: Curiosidades |  Livros Grátis |  Receitas |  Frases e Citações |  Ciências Biológicas |  Jogos Online